quarta-feira, 4 de julho de 2012

Euro 2012: Memórias Póstumas


É com tamanho desprazer que sentencio: a Euro 2012 acabou. Por isso – com prazer – trago algumas considerações.


Um despertar em Fúria

“Fábregas vai à linha de fundo, o espaço é curto, cruzamento, David Silva!” Essa passagem proferida por milhares de narradores em centenas de diferentes idiomas era o prenúncio. A favorita por fim despertara.

O futebol de passes espanhol voltou à tona no último domingo (1), dessa vez sem o tédio das últimas apresentações. O espírito, a alma, que faltavam à Fúria retornou na hora H, Xavi Hernandez se reencontrou com a genialidade. A burocracia do toque da Espanha foi dispensada na final. Enfim pudemos ver o fruto da visão de jogo dos privilegiados, passes longuíssimos de rara precisão reapareceram. Pobre Itália.
Os 4x0 aplicados não demonstram a realidade da partida, mas calam aqueles que duvidaram de uma equipe, que provou nos últimos cinco anos, não se poder duvidar.

Imprevisto agradável

        Apreensão, intermináveis acréscimos, Manuel Neuer na linha do meio-campo, pressão da outrora fortíssima Alemanha. Apito final, placar Itália 2x1 Alemanha, Balotelli herói por um dia.
A forte e inabalável Alemanha é batida, o mesmo Schwensteiger da final da UCL em Munique chora copiosamente. A Itália se recuperava do fracasso no mundial de dois anos atrás. Renascia uma potência.
O processo de reestruturação da equipe foi bem feito. Cesare Prandelli conseguiu superar a geração de 2006. Restaram daquela equipe apenas o fantástico goleiro Buffon, o genial Pirlo, De Rossi e Barzagli. Com a base da campeã italiana Juventus e um ataque que viveu bons momentos mesmo com a sentida ausência do contundido Giuseppe Rossi, a Azurra foi à final. Perdeu sim, mas ao ser recebido com apoio efusivo de sua torcida em Roma, estava evidente, o imprevisto chamado Itália ressurgira de suas próprias cinzas.

Momentos que perdurarão na memória, guardados as sete chaves


#1 – Jordi Alba – Espanha 2x0 Itália: Após receber bela enfiada de bola de Xavi Hernandez, Alba invadiu a área pela esquerda e tocou na saída do goleiro Buffon.

#2 – Mario Balotelli – Itália 2x0 Alemanha: Depois de receber um belíssimo lançamento de Ricardo Montolivo, Balotelli finalizou da melhor forma. Chute forte com efeito no ângulo do gol defendido por Manuel Neuer, que ficou estático.

#3 – Danny Welbeck – Inglaterra 3x2 Suécia: Em bola vinda da direita Welbeck girou e conferiu com o calcanhar, gol importantíssimo.

#4 – Ibrahimovic – Suécia 1x0 França: Em cruzamento vindo da direita Ibrahimovic em belo voleio marcou o gol que permitiu uma honrosa despedida sueca.

#5 – Shevchenko – Ucrânia 2x1 Suécia: Não houve nada demais no gol, um escanteio cobrado do lado esquerdo e uma antecipação do atacante no primeiro pau. De relevante, foi a exultante alegria da torcida ucraniana e uma despedida a altura para um dos melhores atacantes do futebol mundial nos últimos anos.

#6 – Khedira – Alemanha 2x1 Grécia: Em bola cruzada pelo lado direito Khedira  desferiu um potente chute, sem chances para o goleiro Grego.

#7 – Nasri – França 1x1 Inglaterra: Após boa troca de passes Nasri chutou de fora da área no cantinho do goleiro Joe Hart.

Para garantir que não saírão da memória, temos no vídeo abaixo os gols!





O veredito: seleção da Copa
Goleiro: Casillas. Cinco jogos sem ter a meta batida e título na bagagem.

Lateral Direito: Sérgio Ramos. Muito consistente. Devido à falta de um lateral direito de destaque e sua intimidade com a posição é minha opção.

Zagueiro: Pepe. Um muro intransponível na defesa lusa.

Zagueiro: Hummels. Técnica e vitalidade. Apesar da falha contra a Itália foi o esteio defensivo da Alemanha.

Lateral Esquerdo: Lahm. Eficiência e liderança.

Volante: Pirlo. Craque do torneio.

Volante: Xavi. Melhor jogador da final.


Meia-Direita: Dzagoev. Excelente desempenho na primeira fase. Uma pena ter parado nela.


Meio-Central: Özil. Mostrou-se atuante e talentoso em todos os momentos. Na eliminação ainda assumiu a responsabilidade de cobrar o pênalti.

Meia-Esquerda: Cristiano Ronaldo. Longe da forma do Real Madrid, fez um bom papel. Foi o maior finalizador do torneio e marcou três importantes gols para Portugal.

Atacante: Mario Balotelli. No melhor jogo da Itália assumiu a autoria dos gols de seu país. Foi um dos artilheiros do campeonato.

Um comentário :

  1. Parabéns Wladimir! Fico muito feliz por terem me indicado o seu blog! Sou apaixonado por futebol e agora, frequentador daqui.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...