segunda-feira, 29 de abril de 2013

Nacional x Peñarol: o clássico do futebol uruguaio

Esta semana, continuando a série "Clássicos do Mundo" trago histórias sobre o maior clássico do futebol uruguaio, Nacional x Penãrol.


Tida por boa parte dos estudiosos do futebol como a rivalidade do futebol mais antiga fora das Ilhas Britânicas, Nacional x Peñarol é sem dúvida um clássico dos mais importantes do mundo do futebol. A rivalidade nasceu em torno de dois fatores muito importantes: a localização dos clubes e a nacionalidade de seus integrantes.

O Peñarol, clube mais antigo que o Nacional, fundado em 1891, e, originalmente, conhecido como CURCC (Central Uruguay Railway Cricket Club), foi formado pela classe ferroviária de Montevidéu. Formada predominantemente por ingleses, a equipe se desenvolveu em diversas frentes esportivas. As cores amarelo e preto são alusão à Locomotora Rocket e também ao sindicato dos ferroviários. O clube foi formado no bairro Peñarol, que se situa nas cercanias de Montevidéu. Em 1914 assumiu o nome atual Peñarol.
Bandeira de Artigas

Oito anos após o nascimento do CURCC, nasceu o Nacional. O clube foi criado por um grupo de estudantes nacionalistas uruguaios. A intenção deles era difundir o futebol entre os uruguaios e fazer frente àqueles estrangeiros que praticavam o esporte em suas terras. Vem da própria criação o nome Nacional e as cores azul, vermelha e branca, como a bandeira de Artigas, militar importante no processo de independência do Uruguai. O clube se formou na região central da cidade.

Confira ainda: Times de que Gostamos: Nacional 1971

O primeiro encontro dos rivais aconteceu em 15 de julho de 1900 e deu Peñarol (CURCC), vitória por 2x0. Ao todo, foram disputadas incríveis 510 partidas e os Carboneros (alcunha do Penãrol) levam vantagem: são 181 vitórias contra 166 dos Tricolores (como é conhecido o Nacional). São computados, ainda, 163 empates. No último encontro, deu Peñarol 1 x 0 gol de Marcelo Zalayeta.

A maior goleada aconteceu em 1941: 6 x 0 para o Nacional. O maior placar obtido pelo Peñarol foi 5 x 0 em 1953. O atleta que mais marcou gols no derby foi Atilio García (foto)argentino do Nacional, autor de 34 gols no clássico  e também o maior artilheiro da história do clube. Por sua vez, o jogador que mais disputou o clássico foi José Piendibene, uruguaio do Peñarol,  com 62 participações.

Outro ponto de grande equilíbrio do clássico são os títulos. O Peñarol venceu o Campeonato Uruguaio, somando seus vários formatos, por 46 vezes,  a Copa Libertadores por cinco vezes e o Intercontinental três vezes. O Nacional venceu o Uruguaio 44 vezes, a Libertadores três vezes e o Intercontinental três vezes.

Leia também: Times de que Gostamos: Peñarol 1960-1961
Selo alusivo aos 110 anos do Peñarol

No quesito torcida, as pesquisas, como na maioria dos países, não dão dados certos. Apesar disso, também não se distinguem muito e aceita-se que o Peñarol tem aproximadamente 45% de preferência do público uruguaio contra 38% do Nacional. Um fato que merece destaque foi a imigração de italianos que aconteceu no Uruguai. De certa forma, excluídos pela população uruguaia mais conservadora, em grande parte torcedora do Nacional, incharam a torcida do Peñarol.

Longe dos tempos de sucesso, apesar do Peñarol ter decidido a Libertadores de 2011 contra o Santos, os clubes têm apostado no retorno de jogadores experientes para se reerguerem. O Nacional tem em seu elenco peças como Álvaro Recoba, jogador muito querido por Massimo Moratti dono da Inter de Milão, Loco Abreu e o experiente zagueiro de 35 anos Alejandro Lembo. Enquanto isso, o Peñarol tem Fabian Estoyanoff, Marcelo Zalayeta, ex-Juventus-ITA e os intermináveis Antonio Pacheco (foto), 37 anos, e Dario Rodriguez, 38. No clausura atual o Peñarol é terceiro colocado e o Nacional quarto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...