quinta-feira, 9 de maio de 2013

Mineiro 2013 – Final previsível com resultado imprevisível...


Caros leitores é com muito orgulho que me vejo chegar ao 50º texto do Blog. Para uma data especial como esta, trago um assunto que mexe com o coração dos Mineiros e que tem grandes proporções. O clássico entre Atlético e Cruzeiro. Com a sempre muito boa ajuda de meu amigo Gabriel Freitas, estudante de Jornalismo da UniBH e estagiário no Minas Tênis Clube busco analisar os pontos fortes e fracos das duas equipes, todos aqueles fatores principais que podem desequilibrar o encontro e trazer o título ou para o Atlético ou para o Cruzeiro.


ATLÉTICO

O Galo neste ano vem desempenhando um grande papel tanto na Copa Libertadores quando no Campeonato Mineiro. Foram oito partidas pelo campeonato continental, sete vitórias e uma derrota. No estadual, uma derrota para o rival e uma para a Caldense quando a equipe só teve reservas. De resto mais 11 vitórias.


Principal ponto forte: A movimentação do ataque

O ataque alvinegro este ano tem sido arrasador. Com a volta de Diego Tardelli não só ficou suprida a tão chorada "lacuna-Danilinho" como o time melhorou absurdamente. Isso porque o atacante agregou mais movimentação do ataque e agora se vê tranquilamente Bernard e Tardelli pelos dois flancos, Ronaldinho infiltrando como centroavante e Jô também atuando pelas pontas. Em suma, uma frente ofensiva muito difícil de ser marcada, tanto pela movimentação quanto pela qualidade de seus jogadores. Quando jogaram os quatro titulares o Galo sempre venceu. E com a recuperação das lesões de Diego Tardelli e Bernard a tendência é que todos estejam em campo nas finais.

Principal ponto fraco: Os espaços nas laterais

Sim, Marcos Rocha foi o melhor lateral direito do ano passado no futebol brasileiro. Mas o que o levou a esse posto foi sua vocação ofensiva e não defensiva. Tanto ele quanto o lateral esquerdo, Richarlyson, têm apresentado algumas dificuldades defensivas e o Atlético, não raro, tem sofrido com os espaços que os laterais têm deixado nas costas apesar da boa cobertura feita pelos volantes. Se não estiverem realmente bem, é por ali o caminho mais fácil para penetrar na competente zaga formada pelas torres Leonardo Silva e Réver.

Quem pode desequilibrar: Diego Tardelli, o atacante, como tem sido amplamente noticiado, retornou ao clube mais maduro taticamente. Ocupou o flanco direito da equipe e tem conduzido a movimentação ofensiva do Galo. É claro que seus companheiros também podem desequilibrar mas é Tardelli, que chegou aos 80 gols pelo Atlético, que mais tem feito falta ao time nas suas ausências. E sua presença realmente deverá ser fator de desequilíbrio nas partidas finais ante o rival Cruzeiro.

Time Base: Victor; Marcos Rocha, Leonardo Silva, Réver (c) e Richarlyson; Pierre, Leandro Donizete; Bernard, Ronaldinho Gaúcho e Diego Tardelli; Jô. Téc. Cuca

Jogadores fora por lesão: Serginho e Guilherme. Leonardo Silva é dúvida com uma pequena fratura na mão.

Jogadores fora por suspensão: Ninguém.

CRUZEIRO

O Cruzeiro está invicto na temporada. A equipe celeste disputou duas partidas na Copa da Brasil, ocasiões em que venceu o CSA-AL e Resende-RJ. No estadual são trezes jogos, com doze vitórias e um empate. Motivado pela boa fase do rival, o clube contratou o treinador Marcelo Oliveira, que teve dois anos bons no Coritiba. Além disso o clube também foi às compras, qualificando seu elenco.

Principal ponto forte: Qualidade das peças ofensivas de meio-campo e do ataque.

Nas últimas duas temporadas, a equipe celeste sofreu com a falta de opções ofensivas de boa qualidade. Para essa temporada, o Cruzeiro se desfez do argentino Walter Montillo, mas trouxe boas opções para a posição. A chegada de Diego Souza, mais experiente e maduro,  e dos jovens Ricardo Goulart, Lucca e Everton Ribeiro aliadas à manutenção do jovem Élber, fortaleceram a armação que agora abastece melhor o ataque. Este, por sua vez, também se reforçou com bons valores: Dagoberto, Ananias e Luan. A eles se junta o remanescente Borges que já marcou sete gols na temporada e é um dos artilheiros do Campeonato Mineiro.

Principal ponto fraco: Rotatividade de zagueiros na equipe titular

O técnico Marcelo Oliveira, no inicio da temporada sofreu para decidir quem formaria a dupla de zaga celeste na temporada. As opções eram os contratados Bruno Rodrigo (foto), Paulão (foto) e Nirley e também Thiago Carvalho e Léo, que já estavam no elenco. Léo é ainda a opção preferida do treinador. As mudanças devem ser ainda mais constantes com a contratação de Dedé, que poderá jogar apenas na Copa do Brasil e Brasileirão. Acertando a zaga, a raposa deve se fortalecer. Apesar disso a dupla de zaga segue sendo o ponto mais fraco da equipe.

Quem pode desequilibrar: O armador Everton Ribeiro, disputado por várias equipes no início da temporada, vem sendo na opinião de muitos especialistas, o destaque do Cruzeiro na temporada. Com boas jogadas individuais e passes importantes para os atacantes Borges e Dagoberto, pode ser o diferencial nos confrontos finais contra o rival. Everton Ribeiro já fez seis gols na temporada.

Time Base: Fábio (c); Ceará, Bruno Rodrigo, Léo e Everton; Leandro Guerreiro, Nilton; Everton Ribeiro, Diego Souza e Dagoberto; Borges. Téc. Marcelo Oliveira

Jogadores fora por lesão: Henrique, Lucca, Luan e Victorino.

Jogadores fora por suspensão: Nenhum.


Disposição tática provável das equipes

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...