quarta-feira, 18 de março de 2015

Times de que Gostamos: Portsmouth 2007-2008

Após lembrar o exitoso time do Club Brugge, treinado pelo famoso Ernst Happel, trato do interessante time do Portsmouth, que, em 2007-2008, sob o comando de Harry Redknapp, conquistou a FA Cup, chegando à UEFA Cup do ano seguinte.





Time: Portsmouth

Período: 2007-2008

Time Base: David James; Glen Johnson, Sol Campbell, Distin, Hreiðarsson; Papa Bouba Diop (Lass Diarra), Pedro Mendes, Muntari, Kranjcar; Utaka e Kanu (Defoe). Téc.: Harry Redknapp

Conquista: FA Cup

Atualmente na quarta divisão inglesa, distante dos holofotes que o cercaram em meados da última década, o Portsmouth vive sob as sombras de seus sucessos. Mas o que aconteceu, exatamente? Elevado à Premier League pelo treinador Harry Redknapp, o clube fez, entre 2003-2004 e 2005-2006, campanhas ruins, mas conseguiu se manter na elite.

Eis que, no início de janeiro de 2006, o magnata Alexandre Gaydamak chegou ao clube com intenções ambiciosas. Dono do time, o empresário passou a emprestar dinheiro à equipe, financiando contratações caras e o pagamento de vultuosos salários. Foi assim que o clube conseguiu alçar voos altos e o título da FA Cup. Não obstante, veio a crise mundial e, se dizendo em complicações financeiras geradas com a recessão, decidiu vender o clube, atolado em dívidas de empréstimos e impostos (que seriam posteriormente descobertas).

Apesar de todo esse panorama, o torcedor do Pompey, viveu dias inesquecíveis em meio aos anos 2000, mormente, entre as temporadas 2006-2007 e 2008-2009. Em meio a esses anos, veio o título da FA Cup, muito lembrado pelo fato de o Portsmouth ter eliminado o Manchester United, de Cristiano Ronaldo, Wayne Rooney e Carlos Tévez, em um jogo maluco, que contou com lesão de Edwin van der Sar, expulsão de Tomasz Kuszczak – seu reserva –, terminando com Rio Ferdinand no gol.

Na Premier League, a equipe também fez boa campanha, ficando em 8º lugar.

A meta do time era defendida pelo experiente David James (foto). Embora não fosse um goleiro espetacular, era considerado por muitos o melhor goleiro inglês da época. Contratado junto ao Manchester City, chegou ao clube com 36 anos, mas ainda conseguiu destaque, defendendo a Seleção Inglesa na Copa do Mundo de 2010. Na campanha da FA Cup, em seis jogos, ajudou a equipe a manter cinco clean sheets, sofrendo um único gol, contra o Plymouth Angle.

Na lateral direita, após fracassar no Chelsea, o jovem Glen Johnson (foto) finalmente despontava como a referência inglesa de sua posição. Na temporada, o ala disputou 39 jogos, marcou um gol e proveu cinco assistências. Pelo flanco contrário, o titular foi o islandês Hermann Hreiðarsson. Mais afeito às funções de defesa, era muito importante para o balanço defensivo da equipe, que, habitualmente, tendia a atuar mais pelo lado destro. Era também peça importante no elenco, uma vez que podia atuar como zagueiro.

A zaga era um dos pontos mais fortes da sexta melhor defesa da Premier League 2006-2007. Do lado direto, havia toda a experiência de Sol Campbell (foto), ídolo do Arsenal e capitão da equipe. Se já não tinha a explosão física do auge de sua carreira, o beque ainda conservava um senso de posicionamento apuradíssimo e importante força nas bolas aéreas. Do lado esquerdo, o titular era Sylvain Distin. Zagueiro de enorme força física, o francês detinha, à época, velocidade, encaixando-se bem com Campbell e ajudando-o no jogo aéreo.  

Lembrado por ter marcado o primeiro gol da Copa do Mundo de 2002, o senegalês Papa Bouba Diop era o primeiro jogador do meio-campo do Portsmouth. Atleta de enorme força, era conhecido como The Wardrobe (“O Armário”) e também era opção para a zaga. Apesar de sua enorme força defensiva, também tinha como um de seus trunfos potentes finalizações de média distância. Quem atuou muitas vezes em sua ausência foi Lass Diarra, ex-Chelsea e que mais tarde defenderia o Real Madrid.

Em geral, à frente do africano, atuavam o português Pedro Mendes, mais à direita, e o ganense Sulley Muntari (foto), pelo lado esquerdo. Bom construtor de jogo e passador, o primeiro era quem melhor cadenciava e distribuía o jogo. Por outro lado, com enorme vitalidade, Muntari era o “motorzinho” do time. Se não tinha a calma de Pedro Mendes, tinha muita velocidade e uma capacidade pulmonar absurda.


Pensando o jogo e municiando os atacantes, o talentoso meio-campo croata Niko Kranjcar (foto) era o maestro do time. Com grande visão de jogo e jogando sempre com elegância, o atleta era o jogador de maiores qualidades do time. Em 42 jogos, marcou cinco gols e proveu seis assistências. Embora fosse muito técnico, tinha um grande problema: a instabilidade, que o fazia passar, por vezes, despercebido.
O ataque, que tinha muitas opções de qualidade, foi normalmente composto por uma dupla de nigerianos. Por um lado, havia a velocidade e grande movimentação de John Utaka, que muito contribuía para o brilho da maior estrela da equipe, o centroavante Nwankwo Kanu (foto). Apesar da idade avançada e da falta de condições físicas ideais (sofreu, inclusive, um problema cardíaco durante a carreira), o atacante ainda tinha total conhecimento da grande área adversária.

Apesar disso, o time tinha outras opções de grande qualidade, sobretudo Milan Baros, que sofreu o pênalti responsável pela vitória do Portsmouth contra o Manchester United e deu a assistência para o gol de Kanu, na semifinal, e Jermain Defoe, que não pôde disputar a FA Cup (já havia disputado pelo Tottenham, mas marcou gols importantes na Premier League).

Acima da qualidade dos jogadores estava a identificação do treinador Harry Redknapp (foto), que chegou ao clube como diretor de futebol, mas, rapidamente, assumiu o comando da equipe, conduziu-a à Premier League e – excetuando um brevíssimo período em que foi dispensado – realizou um trabalho de seis anos. Além dos jogadores já citados, o time contou, ainda, com a qualidade do polivalente Lauren, ex-Arsenal, dos meio-campistas Sean Davis e Richard Hughes e do atacante David Nugent

Ficha técnica de alguns jogos importantes nesse período:

Quartas de Finais da FA Cup: Manchester United 0x1 Portsmouth

Estádio Old Trafford, Manchester

Árbitro: Martin Atkinson

Público 75.463

Gol: ’78 Muntari (Portsmouth)

Portsmouth: James; Johnson, Campbell, Distin, Hreiðarsson; Lass Diarra, Papa Bouba Diop, Muntari, Kranjcar (Hughes); Utaka (Lauren) e Kanu (Baros). Téc.: Harry Redknapp

Manchester United: van der Sar (Kuszczak); Brown, Vidic, Ferdinand, Evra; Hargreaves (Anderson), Scholes, Nani, Cristiano Ronaldo; Rooney e Tévez (Carrick). Téc.: Alex Ferguson

Semifinal da FA Cup: West Bromwich Albion 0x1 Portsmouth

Estádio Wembley, Londres

Árbitro: Howard Webb

Público 83.584

Gol: ’54 Kanu (Portsmouth)

Portsmouth: James; Johnson, Campbell, Distin, Hreiðarsson; Lass Diarra, Papa Bouba Diop, Muntari, Kranjcar; Baros (Nugent), Kanu (Davis). Téc: Harry Redknapp

West Bromwich: Kiely; Clement, Hoefkens, Albrechtsen, Robinson; Greening, Koren, Morrison (Brunt), Gera (Do-heon Kim); Bednar (Miller), Phillips. Téc.: Tony Mowbray

Final da FA Cup: Portsmouth 1x0 Cardiff City

Estádio Wembley, Londres

Árbitro: Mike Dean

Público 89.874

Gol: ’37 Kanu (Portsmouth)

Portsmouth: James, Johnson, Campbell, Distin, Hreiðarsson; Diarra, Pedro Mendes (Papa Bouba Diop), Muntari, Kranjcar (Baros); Utaka (Nugent) e Kanu. Téc.: Harry Redknapp

Cardiff City: Enckelman; McNaughton, Johnson, Loovens, Capaldi; Ledley, Rae (Trevor Sinclair), McPhail, Wittingham (Aaron Ramsey); Hasselbaink (Thompson), Parry. Téc.: Dave Jones

2 comentários :

  1. Era um time muito interessante mesmo, talvez se alguns jogadores fossem mais jovens, o time teria durado um pouco mais!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse time me marcou muito foda demais goleiro James tomando aquele golaço do Cristiano Ronaldo

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...