segunda-feira, 25 de maio de 2015

Desista de Sterling, Liverpool!

Tem sido amplamente noticiada uma saída de Raheem Sterling do Liverpool.  Aos 20 anos, o talentoso winger clama por sua saída. O objetivo? Segundo o próprio, ganhar títulos. De acordo com declarações de seu empresário, Aidy Ward, seu cliente, que tinha recebido uma proposta de renovação dos Reds, a qual lhe renderia vencimentos de £ 100.000 por semana, não estenderia seu vínculo nem para ganhar £ 900.000 por semana.



A realidade é essa: embora tenha contrato até o final da temporada 2016-2017, Sterling deixará de ser jogador do Liverpool ao final da atual temporada. Manchester City e Arsenal têm sido especulados como seus possíveis destinos e o astronômico valor de £ 50 Milhões ventilado como o montante que deverá ser pago aos Reds, desconsiderando, ainda, a inclusão de outros jogadores no negócio. No caso dos Citizens, Edin Dzeko poderia ser envolvido no negócio, ao passo que os Gunners teriam oferecido Theo Walcott.

Como treinador – não se sabe por quanto tempo, é verdade –, Brendan Rodgers garantiu que o garoto sempre deu seu melhor pelo clube, tentando abrandar a chamuscada relação de Sterling com o torcedor do Liverpool:

“Com Raheem, especialmente com ele, por ser tão jovem, meu dever é sempre o de proteger, apoiar e guiá-lo. Minha mensagem para os torcedores seria: ‘esse é um jovem garoto que, no meu tempo como treinador, deu tudo pelo clube. Ele foi empurrado no time aos 17. Ele recebeu a oportunidade e a agarrou’” disse o treinador ao Daily Mail.

Apesar disso, 128 jogos após sua estreia como profissional, Sterling, Liverpool, Rodgers e o torcedor não falam a mesma língua. Os repetidos insucessos recentes do Liverpool em quase todas as competições em que entra, além do dinheiro que o garoto perceberia em uma transferência, parecem ditar as novas preferências do jogador e suas atitudes já têm tido consequências, com sua exclusão da última partida do clube na temporada, embora o treinador negue veemente terem sido essas as razões de sua escolha – sorte a do garoto, uma vez que os Reds passaram o vexame de sofrer um ridículo 6x1 contra o Stoke City na despedida de Steven Gerrard.

Sem sua grande referência nos gramados, com uma iminente troca de treinador e um elenco recheado de peças que insistem em não mostrar o desempenho que levou o clube inglês a contratá-las, é perda de tempo a diretoria do Liverpool persistir tentando manter Sterling. E não entro no mérito das atitudes do garoto e de seu agente. Há problemas maiores e estruturais no elenco do clube que nunca caminhará só e, para todos os efeitos, o Liverpool dispõe dos jovens e talentosos Lazar Markovic e Jordon Ibe para a função de seu camisa 31. O que o clube precisa é definir um preço para Sterling, o que, segundo noticia-se, será a bagatela de £ 61 Milhões.

Sejamos francos, considerando o pouco que o talentoso garoto fez pelo Liverpool nas últimas temporadas (em 129 jogos marcou apenas 23 gols e proveu 25 assistências), não pode ser tão difícil, com dinheiro no bolso, repor sua saída. A questão é a forma como deve ser feita a reposição. Tomemos alguns exemplos: James Rodríguez custou £ 70 Milhões ao Real Madrid, Juan Mata £ 39 Milhões ao Manchester United e Alexis Sánchez £ 37 Milhões ao Arsenal.

A cada dia que passa, o Liverpool perde força no mercado e, com isso, oportunidades de contratar jogadores considerados World Class. Pensemos, rapidamente: quem, do atual elenco, entraria nesse patamar? Ninguém. O mais próximo é o brasileiro Philippe Coutinho e na última temporada, com o vice-campeonato da Premier League e a venda de Luis Suárez, os Reds tiveram a oportunidade e a verba necessárias para fazer poucas, porém certeiras, contratações. Ao contrário, a direção optou pelo oposto: buscou muitas apostas e pagou caro por elas. Em nove contratações, gastou £133 Milhões. Desperdiçou dinheiro.

É tempo de a diretoria do Liverpool definir um preço por Sterling, deixar os interessados se digladiarem e começar a fazer uma procura profunda e acurada de bons negócios. Por que o Arsenal consegue trazer um jogador utilíssimo como Santi Cazorla por £16 Milhões, e o Chelsea Cesc Fàbregas por £ 29 Milhões e o Liverpool tem que seguir contratando jogadores como Andy Carroll por £36 Milhões e Adam Lallana por £ 27 Milhões? A prova de que os Reds conseguem encontrar bons negócios são as contratações de Luis Suárez e Philippe Coutinho, que, juntos, custaram menos do que Carroll.

A perda de Memphis Depay para o rival Manchester United decretou que o Liverpool, a cada dia, perde mais espaço no mercado.

Leia também: Depay pode ser a melhor notícia da "Era Pós-Ferguson"

Uma eventual e vultuosa venda de Sterling, se bem trabalhada, pode ajudar o clube a começar a mudar essa realidade. A instituição que já contou com craques como Kevin Keegan, Kenny Dalglish, Steven Gerrard, Michael Owen e Luis Suárez é grande, mas está se apequenando. Por essas razões, o Liverpool precisa apagar a última temporada, reconhecer que fez o que pôde, desistir de Sterling e tornar seu tempo útil, buscando bons negócios. Eles existem. Sem Gerrard, uma nova era vem aí e o clube precisa juntar seus cacos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...