quarta-feira, 22 de julho de 2015

Times de que Gostamos: Leeds United 1973-1974

Após contar um pouco do fantástico ano de 1994 do Vélez Sarsfield, que sob o comando de Carlos Bianchi conquistou o mundo, trato de um time polêmico, mas vencedor: o Leeds United, da temporada 1973-1974, treinado por Don Revie.


Em pé: Madeley, Hunter, Cherry, Jordan, McQueen, Stewart, Harvey, Eddie Gray, Clarke, Reaney;
Sentados: Lorimer, Giles, Bremner, Cooper, Bates, Frank Gray, Yorath.


Time: Leeds United

Período: 1973-1974

Time Base: David Harvey; Paul Reaney, Gordon McQueen, Norman Hunter (Trevor Cherry), Terry Cooper (Frank Gray); Billy Bremner, Paul Medeley (Terry Yorath), Mick Bates (John Giles); Peter Lorimer, Allan Clarke (Mick Jones), Eddie Gray. Téc.: Don Revie

Conquistas: Campeonato Inglês

Quando pensamos em acontecimentos inesperados no futebol inglês na década de 70, rapidamente nossa mente se volta para os feitos do treinador Brian Clough, primeiramente com o Derby County e após no Nottingham Forest, equipe em que foi bicampeão europeu. Não obstante, o que não é tão divulgado é a rixa existente entre Clough e Don Revie, antigo treinador do Leeds United.

A passagem de Clough pelo Derby County foi concomitante, em quase todo o tempo, com a de Revie pelo Leeds e os dois disputaram a ferro e fogo o poder na Terra da Rainha – com intromissões de Arsenal e Liverpool. Desde o retorno do Derby à primeira divisão, na temporada 1969-1970, os clubes passaram a rivalizar. E um ponto, especificamente, diferenciava as equipes. Enquanto o time de Clough era aclamado pelo bom futebol praticado, a esquadra de Revie era pelas vitórias, o que independia de bom ou justo futebol. Com o tempo, Don Revie angariou a fama de estimular o time a praticar o jogo sujo, se necessário às vitórias.


Não obstante ambos foram extremamente bem-sucedidos em suas carreiras e Clough chegou, até mesmo a substituir Revie no Leeds, algo que durou 44 dias, uma vez que os jogadores recusavam-se a atuar em bom nível com o ex-treinador do Derby County. A despeito disso, o Leeds United conquistou glórias com essa postura e merece lembrança por isso. Embora tenha levado o título da temporada 1968-1969, em razão da maior competitividade da campanha, em si, o de 1973-1974 é mais lembrado. Na ocasião, o time chegou a ficar 29 rodadas do Campeonato Inglês invicto.

Na proteção da meta, os Peacocks tinham David Harvey (foto), arqueiro que dedicou mais de 15 anos de carreira ao Leeds e representou em muitas ocasiões a Seleção Escocesa. A despeito disso, Harvey foi reserva no início e no final de suas trajetórias, vivendo seu auge justamente na temporada 1973-1974. No clube, o goleiro sucedeu Gary Sprake e foi sucedido por David Stewart, após sofrer um acidente de carro em 1975. Harvey não tinha grandes deficiências, mas também não era um goleiro que muito se destacasse.
Pela lateral direita, havia a presença de Paul Reaney (foto), jogador que envergou a camisa do clube por 16 anos e que é o 3º jogador que mais vezes entrou em campo pelos Peacocks, com 748 jogos. Era um atleta de muita regularidade e mais afeito ao trabalho ofensivo, sendo lembrado como um dos primeiros exemplares de lateral capaz de chegar à linha de fundo e, com qualidade, cruzar a bola na área adversária. Certa vez, George Best afirmou que Reaney era um dos jogadores mais difíceis de enfrentar.

Pelo lado contrário, atuou outra lenda do clube, Terry Cooper atleta que começou a carreira como ponta-esquerda e que tinha, portanto, mais aptidões ofensivas e de velocidade. Atuou por 13 anos no Leeds. Como já era experiente à época, Cooper começou a dividir espaço com o jovem Frank Gray. Igualmente dado ao ataque, o atleta substituiu Cooper ao longo dos anos e em 1979 foi vendido ao Nottingham Forest, pelo valor recorde de £ 500.000,00.

A zaga foi composta, na maior parte das vezes, por Gordon McQueen e Norman Hunter. O primeiro, contratado para substituir o grande Jack Charlton, irmão de Bobby e campeão da Copa do Mundo de 1966, tinha grande força no jogo aéreo, mas sofreu lesões que o impediram de atuar mais vezes pelo Leeds. Foi também importante com a Seleção Escocesa à época.

Seu companheiro, Hunter (foto) é outro jogador lendário dos Peacocks. 4º atleta que mais vezes entrou em campo pelo clube, com 726 aparições, era conhecido como Norman “Morde suas Pernas” Hunter, em razão de sua afeição por carrinhos, e dedicou 14 anos de sua vida ao Leeds. Em 1974 ainda foi eleito o primeiro PFA Player’s Player of the Year – prêmio oferecido pela associação profissional dos jogadores ao melhor jogador do ano.


Na proteção do meio-campo estava aquele que é considerado o jogador mais importante da história do Leeds United: o eterno capitão Billy Bremner (foto), lembrado como “Rei Bremner” pela torcida do clube. Excepcional nos desarmes e ótimo passador era o coração da equipe e o maior entusiasta da postura agressiva de Don Revie. 2º jogador que mais representou o Leeds, com 772 jogos, tinha até mesmo uma música em sua homenagem.

As arquibancadas sempre entoavam: "Little Billy Bremner is the captain of our crew, for the sake of Leeds United he would break himself in two, his hair is red and fuzzy and his body black and blue, as Leeds go marching on" (“O pequeno Billy Bremner é o capitão de nosso time, pelo bem do Leeds United ele se quebraria em dois, seu cabelo é vermelho e ondulado e seu corpo preto e azul, assim o Leeds marcha em frente”, em tradução livre). Foi eleito pelos torcedores o melhor jogador de todos os tempos do clube.

Assistindo seu líder, na temporada 1973-1974, o clube teve quatro opções que muito atuavam: Paul Madeley, Terry Yorath, Mick Bates e o experiente John Giles. O primeiro era um jogador multifuncional, que podia atuar em quase todas as posições da defesa e no meio-campo, sendo o 5º atleta que mais representou o Leeds, com 725 jogos, e uma espécie de 12º jogador do time, nos 17 anos em que o representou. Yorath, por sua vez, era conhecido como um jogador afeito ao trabalho duro e um excelente recuperador de bolas. Por essas qualidades, representou a Seleção do País de Gales em muitas oportunidades.

Bates, por outro lado, era mais técnico, melhor passador e um jogador com mais saída para o jogo, mas, especialmente em 1974, começou a sofrer muitas lesões e viu seu espaço ficar mais limitado. Por fim, Giles era o melhor deles, indiscutivelmente. Jogador dinâmico e excelente controlador de jogo era o termômetro do time, mas aos 33 anos não atuou tanto quanto em outras temporadas. Era considerado o parceiro perfeito de Bremner. É o 9º jogador que mais representou o Leeds, com 527 jogos, e o 6º maior artilheiro, com 114 gols.

Pela ponta direita atuou o 6º atleta que mais vestiu camisa do Leeds e o maior artilheiro da história do clube: Peter Lorimer (foto), escocês que jogou 703 jogos pelos Peacocks e marcou 238 gols. Tendo estreado pelo clube com apenas 15 anos, é lembrado por seus potentes e venenosos chutes e por precisos cruzamentos na área. Somadas suas duas passagens pelo clube, atuou 18 anos em Elland Road.


Do outro lado, pelo flanco esquerdo do ataque, a referência era Eddie Gray, irmão de Frank. Veloz e driblador, era o responsável maior por infernizar as defesas adversárias. 7º jogador com mais aparições pelo clube é outra lenda do Leeds. Suas performances levaram seu treinador a dizer em determinada ocasião que “quando ele joga na neve, não deixa pegadas”.Apesar disso, na temporada 1973-1974 muitas vezes viu de longe o time, em função de lesões. Por isso, em muitas ocasiões Don Revie alinhou dois centroavantes: o ídolo Allan Clarke e Mick Jones.

Clarke (foto), terceiro maior goleador da história do clube com 151 gols, era um centroavante habilidoso. Apelido de “Sniffer” (“farejador”, em tradução livre) era a certeza de que nenhum jogo terminaria com o placar em branco, afinal “achava” oportunidades que ninguém mais percebia. Jones, por sua vez, era mais direto, um atacante veloz, que combinava muito bem com o estilo de Clarke.

Apesar de toda a controvérsia, Don Revie (foto) é um treinador que merece reconhecimento, pois montou um dos melhores times da história do futebol inglês. Após deixar o Leeds treinou por três anos a Seleção Inglesa. Além do comandante, havia peças importante na reserva, como os jovens atacantes Joe Jordan e Gary Liddell, além do polivalente defensor Trevor Cherry.


Ficha técnica de alguns jogos importantes nesse período:

13ª rodada do Campeonato Inglês: Leeds United 1x0 Liverpool

Estádio Elland Road, Leeds

Público 44.911

Gol: Mick Jones (Leeds)

Leeds: Harvey; Madeley, McQueen, N. Hunter, Cherry; Bremner, Bates, Yorath; Lorimer, A. Clarke e M. Jones. Téc.: Don Revie

Liverpool: Clemence; Lawler, Lloyd, T. Smith, A. Lindsay; E. Hughes, Cormarck, Toshack; Callaghan, K. Keegan, Heighway. Téc.: Bill Shankly


37ª rodada do Campeonato Inglês: Leeds United 2x0 Derby County


Estádio Elland Road, Leeds

Público 37.838

Gols: Bremner e Lorimer (Leeds United)

Leeds: Harvey; Reaney, N. Hunter, McQueen, Cherry; Bremner, Madeley, Giles, Yorath; Lorimer e Jordan. Téc.: Don Revie

Derby: Boulton; Webster, Todd, Nish, P. Daniel; S. Powell, Gemmill, Rioch (A. Hinton); R. Davies, Hector e Bourne. Téc.: Dave Mackay


41ª rodada do Campeonato Inglês: Leeds United 3x2 Ipswich Town

Estádio Elland Road, Leeds

Público 44.015

Gols: Clarke, Bremner, Lorimer (Leeds); Hamilton e Talbot (Ipswich Town)

Leeds: Harvey; Reaney, McQueen, N. Hunter, Cherry; Bremner, Madeley; Lorimer, A. Clarke, M. Jones e E. Gray. Téc.: Don Revie

Ipswich Town: Cooper; Burley, A. Hunter, Beattie, M. Mills; P. Morris, B. Hamilton, Talbot, R. Osborne; D.Johnson, e C.Woods. Téc.: Bobby Robson

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...