quarta-feira, 16 de setembro de 2015

Times de que Gostamos: Hamburgo 1981-1983

Depois de trazer a memória do excepcional time do Peñarol do início dos anos 60, relembro o grande time do Hamburgo, que conquistou a UEFA Champions League na temporada 1982-1983 e comandou o futebol na Alemanha no início da década de 80, comandado pelo vitorioso Ernst Happel.


Em pé: Magath, Bastrup, Rolff, Jakobs, Kaltz, Hrubesch;
Agachados: Wehmeyer, Hieronymus, Groh, Milewski, Stein.


Time: Hamburgo

Período: 1981-1983

Time Base: Stein; Kaltz, Jakobs, Hieronymus (Beckenbauer), Wehmeyer; Hartwig, Rolff (Groh), von Heesen, Felix Magath; Hrubesch, Milewski (Bastrup). Téc.: Ernst Happel

Conquistas: Bicampeonato alemão e UEFA Champions League

Com grandes jogadores e um excelente treinador, o Hamburgo tomou os holofotes do futebol alemão para si já no final da década de 70. Com o título alemão da temporada 1978-1979, o time voltou a figurar no rol das grandes equipes da Europa, o que se confirmou com os títulos alemães das temporadas 1981-1982 e 1982-1983, com o vice-campeonato da UEFA Cup, em 1982, e o grandioso título da UEFA Champions League de 1983, ocasião em que os Rothosen bateram a Juventus de Dino Zoff, Michel Platini, Zbigniew Boniek e Paolo Rossi – dentre outros vários craques – na final.

Liderada pelo talento de Felix Magath e pelos gols do capitão Horst Hrubesch, o time viveu um grande momento e chegou até mesmo a ter o genial Franz Beckenbauer em seu elenco. Visando a disputa da Copa do Mundo de 1982, o Kaiser retornara à Alemanha após sua aventura no Cosmos, mas, após sua não convocação, retornou aos Estados Unidos.

Além disso, por trás de todo o sucesso e da qualidade dos jogadores alemães, estava a imponente figura de Ernst Happel, o primeiro treinador a conquistar o título da Champions por mais de um time – antes havia vencido com o Feyenoord. Com um estilo de jogo muito tático, veloz e composto por jogadores que desequilibravam com sua qualidade individual, o time brilhou no continente e só foi parado pelo Grêmio, no Intercontinental de 1983.

Uma das grandes seguranças da equipe estava na meta. Reserva da Seleção Alemã na Copa do Mundo de 1986, Uli Stein (foto) é lembrado como um dos maiores arqueiros da história do clube. Tido como um jogador explosivo – com atitudes intempestivas –, fazia valer a tradição da grande linhagem de goleiros germânicos, sendo um verdadeiro "paredão". No Hamburgo, jogou entre 1980 e 1987, retornando, posteriormente, para a temporada 1994-1995.

- Leia também: Times de que Gostamos: Feyenoord 1969-1970

No miolo defensivo, a dupla foi na maior parte das vezes composta pelos talentos de Ditmar Jakobs e Holger Hieronymus. Bons com a bola nos pés, podiam desempenhar funções diversas no time. Como tinham bons predicados técnicos, eram eficientes líberos, zagueiros e volantes, ajudando muito na saída de bola dos Rothosen. Enquanto Hieronymus integrou o elenco alemão vice-campeão mundial de 1982, Jakobs fez parte do selecionado vice em 1986.

Tristemente, ambos encerraram suas carreiras de forma abrupta, o primeiro em decorrência de lesão gravíssima no joelho, com a ruptura de muitos ligamentos, e o segundo de forma ainda mais trágica. Em seu caso, Jakobs salvou de forma brilhante um gol adversário, mas não conseguiu frear e deslizou para dentro da meta, então um dos ferros de sustentação da trave entrou em sua coluna, e, devido à complexidade do fato e ao trauma, decidiu pendurar as chuteiras. Por pouco, a lesão não prejudicou os movimentos do jogador. Ao tempo de suas lesões, Hieronymus tinha 26 anos e Jakobs 36.

Pela ala direita, Manfred Kaltz (foto) era uma das grandes válvulas de escape do time. Bom no apoio e dono de incomum facilidade para bater na bola, era o cobrador oficial de pênaltis e um cruzador fantástico. Lembrado pelas improváveis, impressionantes e eficientes curvas de seus “passes” providos do flanco destro em direção à grande área, é outra referência histórica do clube, onde passou mais de 18 anos de sua carreira, com direito a mais de 550 jogos e quase 100 tentos marcados. Além disso, esteve nas Eurocopas de 72, 76 e 80 e nas Copas do Mundo de 78 e 82.

Pelo outro flanco, o titular, na maior parte do tempo, foi Bernd Wehmeyer, jogador com menos destaque, mas, ainda assim, dotado de muita qualidade. Lembrado por sua velocidade e pela vocação ofensiva, atuou entre 1978 e 1986 no clube, sendo emergencialmente alternativa para o miolo defensivo.
À frente da defesa Jimmy Hartwig e Wolfgang Rolff (foto) eram os volantes, mas, de plano, esqueça a ideia padronizada de volantes ligados exclusivamente à marcação e com dificuldades até para controlar a bola. O duo do escrete germânico era extremamente talentoso e frequentemente marcava gols, sempre aparecendo como elemento surpresa.

Um dos primeiros jogadores negros a atuar no futebol alemão, Hartwig conseguiu inclusive a impressionante marca de 14 gols na Bundesliga 1981-1982, número inferior apenas ao do centroavante Hrubesch. Rolff chegou para a temporada 1982-1983 e ganhou o espaço muitas vezes ocupado por Jürgen Groh, jogador polivalente, que podia atuar como volante e em quase todas as posições da defesa. 

Mais à frente, Thomas von Heesen foi outro jogador de incrível representatividade na história dos Rothosen. Com 14 anos de clube, era um dos responsáveis pela criação das jogadas. Descrito por alguns como “eterna promessa”, o jogador pode nunca ter alcançado o nível dele esperado mas, ainda assim, brilhou intensamente e posteriormente chegou a capitanear a equipe. Também podia atuar no ataque e marcava muitos gols.

Na criação das jogadas, livre para fazer o que bem entendesse, estava o grande craque do time e aquele que é tido por muitos como o maior de todos os tempos na história do Hamburgo: Felix Magath (foto). Autor do fantástico gol que deu ao clube alemão o título continental de 83, o jogador, filho de um porto-riquenho com uma alemã, era o maior gênio da equipe, uma figura que fazia o que bem entendia com sua especial perna canhota. Bom nos dribles, na condução de bola e excelente finalizador, o camisa 10 era a maior referência do Hamburgo. Com 10 anos de clube, disputou mais de 300 jogos na Bundesliga. É outro que se aposentou precocemente, em função de lesão no joelho.

Como opções de movimentação no ataque, o clube dispunha de Jürgen Milewski, atacante de ótima técnica, drible e muita velocidade e movimentação, mas muito propenso a lesões, e do dinamarquês Lars Bastrup, vencedor do prêmio de melhor jogador de seu país em 1980, e que tinha pouco menos talento mas características semelhantes às de seu concorrente e por vezes parceiro.

Centralizado no comando de ataque Horst Hrubesch (foto) era um grande pivô – na altura e no futebol. Com 1,88m e muita força física, poderia inspirar dúvidas em quem o observasse sem a devida atenção. Não obstante, era um jogador extremamente eficiente na frente da meta adversária (sobretudo com a cabeça), bom assistente e um grande líder. Artilheiro máximo da Bundesliga 1981-1982, com impressionantes 27 gols, e quarto maior em 1982-1983, era um ótimo jogador e um dos grandes pilares da equipe.

Além dos habituais titulares, Ernst Happel contou, como falado, com o interminável Beckenbauer para algumas partidas na temporada 1981-1982, e com outros jogadores úteis, como o defensor Michael Schröder (lembrado também pelo gol contra o Grêmio e por falhas na marcação de Renato Gaúcho), pelo multifuncional Caspar Memering, que podia atuar no meio ou no ataque, e também pelo ofensivo Allan Hansen, alternativa para todo o setor de criação e ataque.

Ficha técnica de alguns jogos importantes nesse período:

29ª rodada do Campeonato Alemão 1981-1982: Bayern 3x4 Hamburgo

Estádio Olímpico, Munique

Árbitro: Werner Föckler

Público 78.000

Gols: ’23 e ’64 Hoeness e ’36 Horsmann (Bayern); ’32 Hartwig, ’70 von Heesen e ’76 e ’90 Hrubesch (Hamburgo)

Bayern: Junghans; Weiner, Beierlorzer, Augenthaler, Horsmann; Kraus, Dürnberger, Dremmler e Breitner; Rummenigge e Hoeness. Téc.: Pál Csernai

Hamburgo: Stein; Kaltz, Jakobs, Hieronymus, Wehmeyer; Hartwig, von Heesen, Groh, Magath; Hrubesch, Bastrup. Téc.: Ernst Happel  

29ª rodada do Campeonato Alemão 1982-1983: Hamburgo 2x0 Stuttgart

Volksparkstadion, Hamburgo

Árbitro: Dieter Niebergall

Público 33.000

Gols: ’58 von Heesen e ’67 Magath (Hamburgo)

Hamburgo: Stein; Kaltz, Jakobs, Hieronymus, Wehmeyer; Hartwig, Rolff, von Heesen (Milewski), Groh; Magath e Hrubesch. Téc.: Ernst Happel

Stuttgart: Grüninger; Habiger (Six), Förster, Förster, Schäfer; Kempe, Ohlicher, Sigurvinsson; Allgoewer, Reichert, Kelsch (Makan). Téc.: Helmut Benthaus

Final da UEFA Champions League 1982-1983: Hamburgo 1x0 Juventus

Estádio Spyros Louis, Atenas

Árbitro: Nicolae Rainea

Público 73.535

Gol: ‘9 Magath (Hamburgo)

Hamburgo: Stein; Kaltz, Jakobs, Hieronymus, Wehmeyer; Rolff, Groh, Magath; Milewski, Hrubesch, Bastrup (von Heesen). Téc.: Ernst Happel

Juventus: Zoff; Gentile, Brio, Scirea, Cabrini; Bonini, Tardelli, Platini; Boniek, Paolo Rossi (Marocchino), Bettega. Téc.: Giovanni Trapattoni

Final do Intercontinental de 1983: Hamburgo 1x2 Grêmio

Estádio Nacional, Tóquio

Árbitro: Michel Vautrot

Público 62.000

Gols: ’37 e ’93 Renato Gaúcho (Grêmio); Schröder (Hamburgo)

Hamburgo: Stein; Groh, Jakobs, Hieronymus, Wehmeyer; Hartwig, Rolff, Schröder, Magath; Wuttke, Hansen. Téc.: Ernst Happel

Grêmio: Mazaropi; Paulo Roberto, De León, Baidek, Paulo Magalhães; China, Osvaldo (Paulo Bonamigo), Mário Sérgio; Renato Gaúcho, Tarciso, Paulo César (Caio). Téc.: Valdir Espinosa 

2 comentários :

  1. Era realmente uma grande equipe. Nessa época enfrentou o glorioso Atlético Mineiro por duas vezes, em 1980 (ano em que o Hamburgo perdeu a final da Champions para o Nottingham), ainda sob o comando de Zebec e com Keegan em seu onze, e em 1982, na final do Torneio de Bilbao. Em ambas o campeão mineiro levou a melhor, 4x1 e 2x2 (vitória nos pênaltis).

    ResponderExcluir
  2. Ah, na escalação do Grêmio, Paulo Magalhães era chamado Paulo César, que depois jogaria no Vasco. E o que está aí como Paulo César era conhecido como Paulo Cézar Caju, campeão com a seleção de 70.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...