segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

Por que o Zenit pode se mostrar uma boa opção para Hernani?

É comum imaginarmos a saída dos talentos brasileiros para o futebol do leste europeu como um passo em falso, em que, seduzidos pelas vultuosas cifras que envolvem as transferências e salários, os jogadores partem para um universo de onde dificilmente saem, caindo no esquecimento. Essa é uma meia verdade, porque há exemplos que confirmam tal afirmação, mas também há outros que a desafiam. Recém-transferido ao Zenit-RUS, o meio-campo Hernani, ex-Atlético Paranaense, tenta provar que a escolha pela equipe de São Petersburgo foi boa opção. Há razões que permitem que se faça análise nesse sentido.



Parceria qualificada no meio-campo

Se, até bem pouco tempo, Hernani tinha a seu lado a segurança do competente Otávio, volante de muita presença, qualidade nos desarmes e boa saída para o jogo, agora o brasileiro seguirá sendo bem assistido pelo setor. Este possui figuras com os mais diversos perfis, entretanto, detentoras de muita qualidade.

Experiente, com passagens por Real Madrid, Benfica e Manchester City, o espanhol Javi García (foto) é um volante de muita pegada, um verdadeiro paredão; um jogador que dá tranquilidade para que os demais meio-campistas possam desenvolver seu futebol.

Sua força física e qualidade nos desarmes dá a Hernani a certeza de que não precisará abrir mão de suas características, podendo, pois, dar continuidade a sua evolução como volante que muito bem sai jogando, distribuindo passes com qualidade e arriscando eventuais finalizações às balizas rivais. Enfim, não perdendo seu conhecido “fator surpresa”.

Além disso, nem só de marcação vive o meio-campo russo, muito pelo contrário.

Como parceiro ou concorrente, o brasileiro terá a companhia do talentoso belga Axel Witsel (é claro, se este não for negociado na próxima janela de transferências). Além de seu famoso cabelo black power, o jogador tem um estilo de jogo muito dinâmico, capaz de se encaixar com perfeição ao de Hernani. Ambos são jogadores de aproximação e constante movimentação. Embora esteja claro que o belga se encontra em patamar superior ao do brasileiro nesse momento, caso atuem juntos, este poderá se beneficiar muito.

Para além da companhia de Javi e Witsel, Hernani contará com a presença de vários meio-campistas selecionáveis russos, como são os casos de Oleg Shatov, o melhor deles, Artur Yusupov, Pavel Mogilevets e Viktor Fayzulin. A despeito de possuírem estilos diferentes, todos têm qualidades. Ou seja, boa companhia pela meia-cancha não faltará ao ex-jogador do Atlético Paranaense.

Convivência com lusófonos, presença de Lucescu e observação de Tite

É claro, faltou falar sobre duas outras opções de meio-campo de que dispõe o Zenit, justamente aquelas que podem se mostrar fundamentais à adaptação de Hernani: o volante Maurício e o meia Giuliano. As razões ultrapassam o “fator nacionalidade”.

O primeiro, meio-campista defensivo formado no Fluminense, está na Rússia desde 2010 e subiu de patamar de qualidade desde então. Não fosse assim, não teria conseguido trocar o Terek Grozny pelo Zenit. O volante conhece, portanto, a realidade do futebol russo e já viveu a dureza de não jogar em um dos maiores clubes do país. Por isso, diante das conhecidas dificuldades enfrentadas por jogadores brasileiros ao frio e às diferenças culturais na Rússia, poderá dar enorme suporte a Hernani.

Nesse sentido, Giuliano (foto) também poderá ajudar muito, porque, embora esteja no Zenit desde a metade de 2016, atuou por três anos no Dnipro, da igualmente fria Ucrânia, conhecendo, pois, os maiores entraves à adaptação ao leste europeu e tendo os superado com louvor (não fosse assim, dificilmente retornaria à região). Há também a presença de outros lusófonos, encontrados nas figuras dos portugueses Danny e Luis Neto.

Não bastasse, Hernani será treinado pelo romeno Mircea Lucescu, ninguém menos do que o responsável pela evolução fulminante do Shakhtar Donetsk a partir da primeira metade da década passada e falante do português. Passaram pelas mãos do experiente comandante jogadores importantes para o futebol brasileiro, como são os casos de Fernandinho, Jadson, Willian, Douglas Costa, Alex Teixeira e Luiz Adriano. Admirador do futebol brasileiro, Lucescu poderá ser fundamental à ambientação e evolução, enquanto futebolista, de seu novo contratado de 22 anos.

Ademais, é preciso lembrar que o carimbo no passaporte para a Rússia não tem impedido que Giuliano siga sendo convocado para a Seleção Brasileira, destacando-se com a Canarinho. Tite tem observado o futebol do leste europeu (também já convocou Taison, do Shakhtar Donetsk) e certamente passará a acompanhar os primeiros passos de Hernani em São Petersburgo. A qualidade mostrada pelo volante com a camisa do Furacão certamente não passou sem notícia por Tite, que deve o ter sob análise. O próprio jogador se mostrou ciente disso em reportagem veiculada pelo Globoesporte.com:

“Ainda sou novo e tenho um caminho enorme pela frente. É claro que chegar à seleção Brasileira também é uma meta. O Tite está de olho em todos os mercados, jogarei com o Giuliano, que tem sido convocado, e vou buscar jogar no mais alto nível para ser lembrado”.

Grandes ambições do clube

Vale fazer menção, ainda, ao fato de que Hernani (foto) chega a um clube com enormes ambições. Desde que passou a ser gerido pela Gazprom, empresa que trabalha com Gás Natural, o Zenit não para de crescer.

De 2005 para cá, já conquistou quatro títulos russos, duas copas da Rússia, quatro supercopas da Rússia, uma Copa da UEFA (atual Europa League) e uma Supercopa da UEFA, além de, é claro, ter se tornado assíduo participante da UEFA Champions League.

Contratações caras também não deixam margem para dúvidas quanto às pretensões do clube. Hulk, Witsel, Javi García, Domenico Criscito, Bruno Alves, Danny e o venezuelano Salómon Rondón são bons exemplos disso.

Para mais, em breve o clube trocará o modesto Estádio Petrovsky, com capacidade para aproximadamente 21.000 pessoas, pelo majestoso Estádio Krestovsky, que está sendo construído para a Copa do Mundo de 2018 e terá capacidade para cerca de 68.000 pessoas.

Este é o clube em que Hernani jogará. Atual vice-líder do Campeonato Russo, cinco pontos atrás do Spartak Moscou, o Zenit pode ter sido uma escolha complexa para Hernani, tendo em vista as dificuldades que uma mudança à Rússia impõe, mas há muitos argumentos capazes de amenizar tais questões, ao menos em tese. Aos 22 anos, sob as mãos de Lucescu, cercado por bons jogadores e tendo suporte de outros falantes do português, o ex-jogador do Atlético Paranaense vê se pavimentar um caminho interessante para sua evolução.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...