segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

O rápido impacto de Roberto Gagliardini

O início de temporada da Inter de Milão parecia promissor. A contratação de bons nomes para qualificar seu elenco e a chegada do treinador Frank De Boer – detentor de um tetracampeonato holandês – animavam o torcedor nerazzurri. No entanto, o que era para se provar um exitoso processo de reconstrução e retorno à luta por títulos se comprovou um grave erro. Instalou-se a instabilidade e logo o time trocou de treinador. Chegou Stefano Pioli, ex-Lazio, e a equipe cresceu de produção. Evoluiu muito também a partir de uma nova incorporação: Roberto Gagliardini, volante de ascensão meteórica na Atalanta.



É curioso pensar que até o início da atual temporada, Gagliardini, de 22 anos, só tinha disputado uma partida na primeira divisão italiana, justamente na última rodada da temporada 2015/16. É justo dizer, contudo, que na primeira parte do aludido ano o atleta esteve emprestado ao Vicenza, clube em que não chegou a se firmar. Formado na própria Atalanta, que o recebeu no já distante ano de 2001, só se tornou peça importante de La Dea a partir da temporada atual e isso não se deu imediatamente.

Embora já estivesse incorporado aos profissionais da equipe italiana desde o começo da campanha presentemente em disputa, só conseguiu seu primeiro jogo como titular na 7ª rodada do Calcio. Isso só voltou a se repetir a partir da 11ª rodada e, desde então, passou a ser sua realidade. Entre a rodada citada e o início das negociações com a Inter de Milão, Gagliardini foi sempre titular; e mais: transformou-se em peça fundamental, ao lado do marfinense Franck Kessie.

Com ele, a Atalanta, que perdera quatro de suas primeiras cinco partidas na competição, tornou-se surpresa e sensação no Campeonato Italiano. Aliás, nos jogos em que alinhou o volante em seu time titular, o clube de Bergamo sentiu o sabor da vitória em seis oportunidades, tendo sido derrotado em apenas uma e empatando outra. Sim, foram apenas oito partidas de Campeonato Italiano como titular. Diante disso, como é possível justificar uma transferência tão cara para a Inter de Milão (especula-se ter custado cerca de €25 milhões)?

Uma das explicações é certamente o fato de o jovem ter sido convocado pelo treinador Giampiero Ventura para as partidas da Itália contra Liechtenstein e Alemanha, o que, embora o jogador não tenha estreado, certamente o colocou em outro patamar. Selecionável, Gagliardini passou a custar mais caro. Entretanto, são suas qualidades a melhor justificativa para seu alto preço.

Volante alto (1,88m), desde que ganhou real espaço na Atalanta, Gagliardini vem demonstrando uma capacidade especial para fazer a precisa leitura do jogo e muita resistência física. Sua noção dos espaços do campo é privilegiada, o que lhe torna um jogador com muito destaque nas recuperações de bola, não somente em desarmes, mas também em interceptações. Sua aptidão para o jogo aéreo é também um diferencial, visto que permiti que sua equipe ganhe mais vezes as segundas bolas e comece, rapidamente, a construir seu jogo.

Conquanto não seja um mestre dos passes, também não se compromete nesse atributo, tendo uma saída de bola, embora simples, muito eficaz. Desde que chegou à Inter, em partidas de Campeonato Italiano, tem média de 85,5% de aproveitamento de passes, 3,2 desarmes e 3 interceptações por partida. Tais números, excelentes, têm lhe rendido absoluta titularidade na Beneamata e o jogador vem sendo uma das principais explicações para a evolução interista.

Desde que chegou a Milão, Gagliardini disputou cinco partidas, todas como titular, participando de quatro vitórias e uma derrota para a líder Juventus. Fazendo parceria ora com o croata Marcelo Brozovic ora com o francês Geoffrey Kondogbia, o italiano tem feito por merecer a titularidade e já começou a ganhar espaço no coração do torcedor, pela luta constante e espírito incansável. A melhora na dinâmica de jogo da Inter passa pela contratação do jogador, que pode não ter o nome dos primeiros contratados da temporada, mas já é muito mais importante que a maioria deles.

“[Gagliardini] Se tornará um meio-campista completo. Com quem ele se parece? Me lembra [Marco] Tardelli, pelo senso de posicionamento e desejo de atacar, embora Marco fosse mais ágil e rápido e Gagliardini tenha mais estatura e fisicalidade, disse Stefano Pioli em entrevista coletiva após a estreia de seu meio-campista.

A despeito de ter uma carreira de pouco mais de 100 partidas disputadas, majoritariamente na segunda divisão italiana, Gaglio mostra tranquilidade e maturidade raras, não sentiu o peso da camisa da Inter e muito menos o da responsabilidade de ajudá-la a se recuperar e buscar uma vaga em competições europeias da próxima temporada.

Se, a princípio, seu preço pareceu muito alto, desde que começou a atuar essa impressão vem se modificando. Gagliardini tem entregado futebol de primeira qualidade: técnica, física e até mesmo emocionalmente. A presença do novo camisa cinco interista vem estabilizando o meio-campo da equipe e ajudando outras peças, como a do português João Mário, a atuar melhor. Não há dúvidas de que o italiano foi uma contratação excelente, sobretudo em razão da rapidez com a qual conseguiu trazer impacto ao onze inicial da Inter de Milão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...