quarta-feira, 2 de janeiro de 2019

Promessa hoje, realidade amanhã? — Versão 2018

Mais um ano terminou. Outro com muito futebol. Como não poderia ser diferente, 2018 trouxe consigo uma série de emoções aos amantes do esporte bretão. Uma delas foi a oportunidade de, mais uma vez, observar o despontar e o amadurecer de novos prodígios. É claro: embora projeções sejam um mal necessário em um meio tão imediatista, uma série de jogadores sempre se apresenta como esperança para clubes e seleções. Como é feito desde 2012, O Futebólogo monta a sua lista de meninos que convém observar de perto e que chamaram a atenção no ano recém-findo.



1 — Éder Militão (São Paulo-BRA/Porto-POR)

20 anos. Lateral direito no São Paulo; zagueiro no Porto; volante diante das necessidades; um jogador de enorme versatilidade para representar, por anos, a Seleção Brasileira. Este é Éder Militão. O jovem defensor pode até ter estreado como profissional no ano de 2017, mas somente em 2018 se tornou imprescindível. Muito rapidamente, ficou claro que o destino do jogador, que é sólido a defender, tem técnica, antevê bem as jogadas e tem um condicionamento físico exemplar seria o futebol europeu. No meio do ano, não houve nada que o Tricolor Paulista pudesse fazer para evitar sua saída. Pouco depois, vestiria pela primeira vez a camisa da Canarinho.

2 — Jadon Sancho (Borussia Dortmund-ALE)
18 anos. Às vezes, o futebol apresenta jogadores jovens um tanto quanto apressados a conquistar um lugar regular em suas equipes. Mais raro é isso acontecer e o jogador realmente estar preparado para as exigências que alega ter condições de enfrentar. Sem garantias de que seria utilizado pelo Manchester City, clube pelo qual sequer fez um jogo, Jadon Sancho pegou suas coisas e partiu para Dortmund. O inglês levou ao aurinegro impressionantes dribles, aptidão para desequilibrar partidas, rapidez e imprevisibilidade. Precisou de um brevíssimo tempo para se ambientar e já é um dos grandes destaques da ótima temporada 2018/19 do time. “Se você realmente acredita em si mesmo, precisa fazer o que é melhor para você”, disse ao Telegraph. A Muralha Amarela agradece.

3 — Frenkie de Jong (Ajax-HOL)
21 anos. Tudo começou nas categorias de base do Willem II e parece que vai acabar tendo uma passagem por Barcelona. Mas, no momento, quem pode aproveitar Frenkie de Jong, semana após semana, é a torcida do Ajax. Ele chegou ao clube de Amsterdã aos 18 anos e precisou de tempo para crescer. Suas oportunidades só aumentaram na temporada 2017/18 e a titularidade passou a ser uma realidade indiscutível em 2018/19. Zagueiro, volante ou meia, o holandês tem a tranquilidade de um veterano, a criatividade de um camisa 10 e a leitura de um armador. Parece estar sempre antecipando os movimentos e tomando boas decisões.

4 — Phil Foden (Manchester City-ENG)
18 anos. Menina dos olhos do treinador Pep Guardiola, o inglês Phil Foden representa uma das esperanças de que o futuro do Manchester City será tão bom quanto o presente é. Se a titularidade ainda não é realidade, as oportunidades, que começaram a ser recebidas em 2017/18, só têm aumentado. Canhotinho, o meia opera pela faixa central e há quem diga que está sendo preparado para suceder o ídolo espanhol David Silva. Controle de bola apurado, boa visão de jogo para passar e movimentação constante são os grandes predicados de Foden. “Ele parece muito magro, fraco, mas é realmente muito forte”, disse Guardiola em entrevista coletiva.

5 — Houssem Aouar (Lyon-FRA)
20 anos. Cria das categorias de base do próprio Lyon, que o recebeu aos 11 anos, Houssem Aouar é um meia francês de raízes argelinas e enorme qualidade. Pode atuar em qualquer uma das posições de meio-campo, preferencialmente as mais centrais. Sua estreia aconteceu em fevereiro de 2017, mas, da mesma forma que outros já mencionados, afirmou-se na temporada 2017/18, sobretudo em segunda metade. Seu começo de campanha em 2018/19 é excelente, com seis gols anotados em 18 partidas na Ligue 1. Suas qualidades de condução de bola e a tomada de decisões corretas, com passes e movimentações, são trunfos.

6 — Exequiel Palacios (River Plate-ARG)
20 anos. Outro meio-campista central, Exequiel Palacios é um jogador profissional dos quadros do River Plate desde 2015, mas de pouquíssima minutagem. No referido ano, fez apenas um jogo no Campeonato Argentino, o que se repetiu no ano seguinte. Seu salto aconteceu mesmo em 2018, assumindo as rédeas da meia-cancha do clube bonaerense. Com muita personalidade, firmou parceria com o veterano Leonardo Ponzio. Intenso, de ótima saída de bola, elegância e boa finalização de média distância, Palacios aparece como esperança também para a Seleção Argentina, pela qual estreou também em 2018. É fortemente vinculado a uma transferência ao Real Madrid. 

7 — Rodrygo Goes (Santos-BRA)
17 anos. Joia mais recente produzida na Vila Belmiro, Rodrygo viveu uma ascensão impressionante em 2018. Seus primeiros dois jogos como jogador profissional, ambos como reserva, aconteceram no apagar das luzes do ano anterior, mas o atacante — que fez absolutamente todas as funções de frente em ‘18 — foi tratado como peça fundamental para o time desde o início do ano. Jogou o Campeonato Paulista, a Copa Libertadores da América e foi importante na irregular campanha do Peixe no Campeonato Brasileiro, em que fez oito gols e criou três assistências, em 35 jogos. Nada mau para um garoto de 17 anos. Ah! Rodrygo já está vendido ao Real Madrid.

8 — Trent Alexander-Arnold (Liverpool-ENG)
20 anos. Lateral direito em plena evolução, Trent Alexander-Arnold é um dos produtos lapidados por Jürgen Klopp desde que o alemão assumiu o comando do Liverpool. Seu primeiro contato com o futebol profissional aconteceu em 2016. Um ano depois, ganhou oportunidades a partir de uma lesão grave de Nathaniel Clyne. A princípio, revezou-se com Joe Gomez, mas acabou conquistando a titularidade e fazendo jogos brutais, como aqueles em que os Reds eliminaram o Manchester City na Liga dos Campeões, em abril de 2018. “É realmente raro [um jogo] em que [Leroy] Sané não consegue finalizar, criar gols, fazer coisas assim. [O jogo de Alexander-Arnold] Foi excepcional, para ser honesto”, disse Klopp após bater os Citizens. Sua evolução foi reconhecida com uma convocação para a Copa do Mundo.

9 — Callum Hudson-Odoi (Chelsea-ENG)
18 anos. Surpresa da pré-temporada do Chelsea em 2018/19, Callum Hudson-Odoi fez claramente o suficiente para entrar nos planos do treinador Maurizio Sarri. Embora seja inexperiente, o inglês de origem ganesa deu mostras do que poderá oferecer aos Blues nos próximos anos. Rápido e habilidoso, o ponta revelou qualidades na tomada de decisões e no drible. Fez seis jogos em 2018, marcando um gol e criando uma assistência, ambos na disputa da Liga Europa. Desponta como alternativa ao trio formado por William, Pedro Rodríguez e Eden Hazard e deve ganhar mais oportunidades. “Se ele é bom o suficiente para jogar em um grande time da Premier League com 18 anos, ele pode se tornar o melhor jogador da Europa em dois anos”, revelou seu treinador, após a goleada do clube londrino contra os gregos do PAOK.

10 — Renan Lodi (Athletico-BRA)
20 anos. O 2018 do lateral esquerdo Renan Lodi foi uma verdadeira loucura. Revelado em 2016, vinha passando a maior parte de sua trajetória no time sub-23 do Furacão, pelo qual conquistou o Campeonato Paranaense no último ano. Então, na metade dele, o clube negociou o titular Thiago Carleto e arriscou sua continuidade. A aposta saiu melhor do que a encomenda. Fortíssimo no apoio ao ataque, foi crucial para os planos do treinador Tiago Nunes, que tirou o clube paranaense da disputa contra o rebaixamento e o levou ao título da Copa Sul-Americana. Nesta campanha, Lodi fez dois gols e criou três outros, em 12 jogos.

11 — Achraf Hakimi (Real Madrid-ESP/Borussia Dortmund-ALE)
20 anos. Lateral que apareceu com destaque no Real Madrid em 2017, Achraf Hakimi subiu aos profissionais como alternativa ao titular Dani Carvajal e o reserva Nacho. Acabou tendo oportunidades em jogos de menor importância, mostrou potencial e foi titular da Seleção Marroquina na Copa do Mundo de 2018. Precisando de espaço para evoluir, o jovem, que é alternativa pela direita e pela esquerda, foi emprestado por duas temporadas ao Borussia Dortmund, clube em que tem sido titular e destaque, com um gol e três assistências em 12 jogos na Bundesliga, e outros três passes para gols em quatro partidas da Liga dos Campeões.

12 — Mattéo Guendouzi (Lorient-FRA/Arsenal-ENG)
19 anos. Volante que goza da confiança do treinador do Arsenal, Unai Emery, o franco-marroquino chegou ao clube inglês como uma promessa, mas já vem sendo utilizado com regularidade — muitas vezes como titular. Ainda parece “verde”, mas a desenvoltura que tem para participar do jogo, passar a bola e se oferecer como alternativa aos seus companheiros chama a atenção. A inconsistência de suas performances parece algo corrigível com o passar dos anos.

13 — Rúben Dias (Benfica-POR)
21 anos. O Benfica vivia uma crise sem fim para a sua zaga. Luisão já não era sombra do grande zagueiro que por muitos anos foi alternativa para a Seleção Brasileira. Jardel e Lisandro López viviam lutando contra uma série de problemas físicos. Esse foi o contexto em que o treinador Rui Vitória se viu, obrigado a lançar um jovem defensor sem qualquer experiência em setembro de 2017. Aos poucos, com a volta de Jardel, Luisão perdeu todo o seu espaço, foi ao banco de reservas e acabou se aposentando. E, cCom muita tranquilidade, demonstrando qualidade no jogo aéreo, força física e aptidão para sair jogando, Rúben Dias se afirmou, sendo hoje indiscutível.

14 — Mason Mount (Vitesse-HOL/Derby County-ENG)
19 anos. Outra cria das categorias de base do Chelsea, Mount faz parte do grupo de jogadores que os Blues têm emprestado pela Europa. Em 2017/18, foi enviado ao parceiro holandês do clube londrino, o Vitesse. O meia aproveitou suas chances, fez 14 gols e criou nove assistências em 32 jogos na Eredivisie. Sua visão de jogo é um ponto a ser destacado, assim como a qualidade na condução de bola. Hoje no Derby County, é treinado por Frank Lampard e dá continuidade a sua evolução.

15 — Marc Cucurella (Barcelona-ESP/Eibar-ESP)
20 anos. Produto da famigerada La Masia, Marc Cucurella integrou o time B do Barcelona até a última temporada. Em 2018/19, realizou a pré-temporada com o time principal, mas acabou emprestado ao Eibar, para ganhar experiência. No clube basco, tem se destacado. Às vezes como lateral esquerdo, em outros turnos como meia, chama atenção pela forte veia ofensiva e já fez ótimas partidas, como aquela em que o Eibar bateu o Real Madrid por 3-0 (com uma assistência do jogador). Em Barcelona, é comparado a Carles Puyol, não pelas competências, mas pela cabeleira.

16 — Pedrinho (Corinthians-BRA)
20 anos. O corpo franzino e o físico ainda em desenvolvimento escondem um jogador de grande talento. O meia corinthiano foi um dos poucos motivos de sorrisos da Fiel em 2018. Com o time em má forma, desmantelado após o título do Campeonato Brasileiro de 2017, Pedrinho ganhou espaço e, para muitos, deveria ter sido titular a temporada inteira. Habilidoso, de boa finalização de média distância e muito veloz, caiu nas graças da torcida. Jogou poucos jogos em 2017 e se firmou em 2018. Agora, tem sido especulada uma transferência para o futebol europeu. 

17 — Moussa Diaby (PSG-FRA)
19 anos. Em um time com tantas estrelas como é o Paris Saint-Germain, sobretudo no setor ofensivo, as oportunidades para jogadores jovens acabam não sendo muitas. Apesar disso, na temporada 2018/19, o elenco parisiense não está tão recheado e alguns garotos têm tido chances. Um deles é Moussa Diaby. No Campeonato Francês, já tem mais de 10 partidas na campanha, a maior parte delas pelo flanco esquerdo, tendo feito dois gols e criado outras cinco assistências. Canhoto, habilidoso, destaca-se nos dribles e na criação de chances de gol.

18 — Diogo Dalot (Porto-POR/Manchester United-ENG)
19 anos. O lateral Diogo Dalot mal havia entrado em campo com a camisa do Porto quando o Manchester United não hesitou em pagar sua multa rescisória. Alternativa pelos dois flancos, apresenta-se como uma opção equilibrada, útil no apoio, mas que não descuida da parte defensiva, possuindo ainda aptidão para cruzamentos e muita capacidade atlética. Tem conquistado suas primeiras oportunidades com a camisa dos Red Devils.

19 — Hiroki Abe (Kashima Antlers-JAP)
19 anos. Eleito o melhor jovem estreante do ano no Campeonato Japonês, Hiroki Abe é tratado como joia no Kashima Antlers. Meia com facilidade para conduzir a bola com os dois pés e rápido, é jogador das equipe sub-19 do Japão e foi um dos destaques do time na disputa do último Mundial de Clube, depois de participar da campanha do título na Liga dos Campeões da Ásia. Ainda não é titular absoluto da equipe, mas conquistou muito espaço em 2018.

20 — Matheus Cunha (Sion-SUI/RB Leipzig-ALE)
19 anos. No meio de 2017, Matheus Cunha deixou o Coritiba e partiu para uma aventura no Sion, da Suíça. Pouco mais de um ano depois, o atacante brasileiro vai ganhando espaço e se tornando um dos destaques do RB Leipzig em sua boa campanha na Bundesliga. Ótimo finalizador, com ambos os pés e também de cabeça, chama a atenção também pela facilidade com a qual se adaptou ao futebol europeu, com tamanha juventude. Na Alemanha, tem recebido maiores oportunidades nos jogos da Liga Europa, já tendo anotado três gols em seis jogos. “Ele é especialmente bom na frente do gol e é versátil. Ele se desenvolveu magnificamente no último ano no Sion”, disse o treinador do clube Ralf Rangnick ao site oficial da Bundesliga.

21 — Giorgi Chakvetadze (Gent-BEL)
19 anos. Tudo bem: ser o maior talento do futebol georgiano não é algo tão representativo no planeta bola. Mas os números e o desempenho do meia Giorgi Chakvetadze não deixam margem para dúvidas de que se trata de uma potencial estrela em ascensão. O meia-atacante deixou o Dinamo Tbilisi em meados de 2017, partindo para uma experiência no futebol belga. Com a camisa do Gent, tem chamado a atenção pela ótima finalização de perna direita, a frieza nos dribles curtos e a facilidade com que se aproxima da área adversária para marcar gols.Também demonstra muita visão de jogo. Fez sua estreia pela Seleção Georgiana em março de 2018 e já acumula cinco gols em sete partidas. É outro que vem sendo observado de perto por gigantes europeus.

22 — Gedson Fernandes (Benfica-POR)
19 anos. Outro produto das categorias de base do Benfica chamado ao socorro do time diante das dificuldades dos Encarnados no mercado de transferências, Gedson tem sido regularmente titular. O meio-campista subiu aos profissionais apenas no início da temporada 2018/19, mas teve impacto imediato. Típico jogador que percorre longas faixas do campo, iniciando as jogadas e muitas vezes se aproximando da área adversária para finalizar — o típico box-to-box —, tem seu início de trajetória comparado ao de Renato Sanches. Possui técnica e bom porte físico. Apesar de ter nascido em São Tomé e Príncipe, representa Portugal, tendo feito suas primeiras partidas pelo país em setembro de 2018.

23 — Sandro Tonali (Brescia-ITA)
18 anos. Há casos de jogadores convocados a representar seus países jogando na segunda divisão. No universo das principais seleções do planeta, das campeões mundiais, tal realidade acontece, embora seja raríssima. Imagine, então, a situação de um jogador que não só não joga futebol de elite no seu dia a dia como tem 18 anos. Esse é o caso de Sandro Tonali, meio-campista do Brescia. Titular absoluto do clube que um dia teve em Roberto Baggio seu camisa 10, o garoto vem jogando demais, sobrando. Cria da casa, fez um jogo em 2017 e tem sido titular no ano de 2018 inteiro. Na temporada 2018/19, tem um gol e cinco assistências, em 17 jogos. Seu talento é comparado ao de Andrea Pirlo, outro que passou pelo Brescia. Ainda não estreou pela Squadra Azzurra, mas em setembro foi chamado para um amistoso contra os Estados Unidos.

24 — Weston McKennie (Schalke 04-ALE)
20 anos. A temporada 2017/18 do Schalke 04 foi brilhante. O vice-campeonato da Bundesliga, com enorme vantagem para o terceiro colocado, consagrou um trabalho excepcional de reconstrução feito pelo treinador Domenico Tedesco. Um dos jogadores que ganharam espaço com ele foi o meio-campista norte-americano Weston McKennie, que parece não se incomodar com o trabalho de “formiguinha”. Atleta que joga duro, tenta muitos desarmes, vai bem no jogo aéreo e raramente desiste de uma jogada, tem se desenvolvido rapidamente, mesmo com o clube fazendo uma temporada 2018/19 decepcionante. "Ele tem boa mentalidade, é forte, tem os pés no chão e trabalha duro", disse seu treinador à Fox Sports.

25 — Florian Neuhaus (Borussia Monchengladbach-ALE)
21 anos. Depois de atuar por duas temporadas na segunda divisão alemã, primeiro defendendo o Munique 1860 e depois o Fortuna Dusseldorf (emprestado pelo Gladbach), Neuhaus finalmente vem recebendo minutos na Bundesliga e seu desempenho tem sido soberbo. Em 17 partidas, o meio-campista já ofereceu sete assistências e marcou um tento. Tem no passe e na boa tomada de decisões seus trunfos e é um dos pilares da Seleção Alemã Sub-21.

26 — Alex Meret (SPAL-ITA/Napoli-ITA)
21 anos. Não é habitual o despontar de jovens goleiros. Pela responsabilidade intrínseca à posição, o mais normal é ver os arqueiros de potencial passarem algum tempo na reserva, aprendendo com os mais experientes. Cria da Udinese, Alex Meret colocou essa realidade em xeque em 2017/18 quando, emprestado à SPAL (que já havia defendido na segunda divisão um ano antes), mostrou suas qualidades. Apesar de ter sofrido lesões, revelou-se um goleiro de muitos reflexos e de ótimas defesas à queima roupa. Foi vendido ao Napoli, clube em que, machucado vinha sendo reserva do colombiano David Ospina, tendo conquistado espaço no final de 2018.

27 — Moussa Wagué (Eupen-BEL/Barcelona B-ESP)
20 anos. Um dos nomes que ganharam destaque representando Senegal na Copa do Mundo de 2018, o lateral direito Moussa Wagué se revelou uma força da natureza. Fisicamente, parece estar além dos jogadores da mesma idade. Tecnicamente, ainda tem o que melhorar, mas ninguém duvida de seu potencial. No Mundial, marcou um gol. A boa participação no certame levou o Barcelona a buscar seu futebol nos belgas do Eupen. Como se trata de um diamante bruto, o jogador tem atuado pela equipe B do clube catalão, mas o treinador Ernesto Valverde já avisou que o integrará ao time principal a partir do início de 2019.

28 — Bruno Guimarães (Athletico-BRA)
21 anos. Outro jogador que se desenvolveu no time sub-23 do Athletico, depois de ter sido contratado junto ao Audax, e que ganhou destaque após a efetivação do treinador Tiago Nunes, Bruno Guimarães terminou 2018 como um dos melhores volantes do futebol brasileiro. Com muita visão de jogo e bom passe, fez o papel de segundo volante no clube paranaense, ditando o ritmo de suas ações. Não é brutal nos desarmes e interceptações, mas também não deixa a desejar; sai-se melhor na pressão do que propriamente no combate. Foi crucial na campanha que terminou com o título da Copa Sul-Americana pelo rubro-negro.

29 — Brais Méndez (Celta de Vigo-ESP)
21 anos. Habilidoso meia do Celta de Vigo, Brais Méndez conquistou a titularidade do clube galego na temporada 2018/19. Na campanha anterior, recebeu minutos, mas ainda não tinha status de titular. Tal realidade mudou porque o jogador vem fazendo chover. O canhotinho tem quatro gols e cinco assistências em 14 jogos de La Liga. Seu excelente chute de média distância e a objetividade para concluir rápido (e bem) as jogadas são características que chamam a atenção. Em novembro de 2018, estreou pela Seleção Espanhola da melhor forma possível, marcando seu primeiro gol.

30 — Declan Rice (West Ham-ENG)
19 anos. Polivalente defensor, Declan Rice tem sido um dos pilares do treinador Manuel Pellegrini no comando do West Ham. Selecionável irlandês desde março de 2018, o jogador recebeu suas primeiras oportunidades reais na temporada 2017/18, atuando majoritariamente como zagueiro. Sob a batuta do chileno, entretanto, tornou-se titular absoluto, como volante, e deu um salto de qualidade. Seus passes (inclusive os longos) melhoraram sensivelmente, sua aptidão para o desarme e as interceptações também. Rice tem sido um leão à frente da defesa dos Hammers. “Ele é um jogador que sempre quer aprender mais, tem um futuro brilhante pela frente”, disse Pellegrini ao Irish Times.

2 comentários :

  1. Ótimos nomes, senti falta do Pedro do Fluminense, demonstrou faro de artilheiro mesmo em um time com um conjunto frágil, abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo comentário, Matheus! Essas listas, via de regra, sempre deixarão bons nomes de fora. Concordo com você: Pedro fazia um ano espetacular, coroado com convocação, até ter o azar da lesão. Abraços!

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...