Na Turquia, Eto’o mostra que não se cansa de marcar gols

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Na Turquia, Eto’o mostra que não se cansa de marcar gols

Tempo de leitura:

Lá se vão 18 temporadas desde que Samuel Eto’o estreou como futebolista profissional. Lembrado pela qualidade do futebol de seus melhores dias, sobretudo vestindo as camisas de Barcelona e Inter de Milão, o camaronês sempre foi conhecido como um dos mais prolíficos centroavantes do mundo. Sua velocidade, capacidade de finalização e faro de gol foram, desde sempre, as características que o consagraram. Todavia, após viver últimas temporadas apenas regulares, Eto’o arrancou para 2015-2016 com tudo, mostrando que ainda não pode ser considerado um ex-jogador.



Histórico recente

Desde que deixou a Inter, com o fim da temporada 2010-2011, Eto’o vem pintando uma imagem nublada acerca de sua carreira. À época, seu destino foi o Anzhi Makhachkala, clube do Daguestão que acabara de se tornar um “novo rico” e possuía um projeto ambicioso. Ganhando um salário astronômico (aproximadamente €20 Milhões por ano, segundo veiculado à época), o jogador chegou ao clube como a grande estrela.

Lá, disputou duas temporadas completas e continuou mostrando seu faro de gol, com 36 tentos em 73 jogos. Todavia, convencido por José Mourinho, que o treinara na Inter, e em função do “fim do sonho do Anzhi”, com o esgotamento dos investimentos, Eto’o voltou a um grande centro, retomando a vida sob os holofotes. Em 2013-2014, o camaronês desembarcou em Londres para vestir a camisa do Chelsea.

35 partidas e 12 gols depois – além de uma polêmica com o treinador português quando à idade do atacante – o jogador deixou Stamford Bridge por baixo, como todo o ataque dos Blues (trocado por completo, saíram Fernando Torres, Eto’o e Demba Ba e chegaram Diego Costa, Loïc Rémy e Didier Drogba). Desejando ainda seguir na Premier League, firmou pelo Everton, onde também não obteve sucesso.

20 jogos depois de sua chegada e com quatro gols marcados, Eto’o deixou Goodison Park na metade da temporada e seguiu para a Sampdoria, buscando retomar sua forma onde vivera seus últimos grandes momentos, na Itália. A despeito disso, seu desempenho foi ainda pior do que o demonstrado no clube de Liverpool e o jogador voltou a estar disponível no mercado ao final da temporada 2014-2015. Veio, então, a oportunidade no Antalyaspor.

Oportunidade em clube de pequeno porte

Contratado pelo modesto clube da bela cidade de Antalya, ao sul da Turquia, o jogador deu nova margem para os maldosos comentários em relação a sua forma, voltando a ser classificado como um “ex-jogador”. Apesar disso, o atleta nem tem idade tão avançada ainda – 34 anos – e tem mostrado novamente que não está acabado.

Acompanhado por figuras como as do rodado Jean Makoun, seu companheiro na Seleção de Camarões, a do defensor tcheco Ondrej Celustka, ex-Nuremberg e com passagem por clubes de Inglaterra e Itália, e do goleiro Rais M’Bolhi, que ficou conhecido pelo público mundial após suas fantásticas performances à frente da meta da Seleção da Argélia, Eto’o voltou a brilhar.

Capitão do time, o experiente atacante balançou as redes cinco vezes em seis partidas e alguns desses gols foram belíssimos, lembrando o jogador dos tempos da Catalunha e de Milão. Não à toa, sua equipe, que jamais conquistou o Campeonato Turco, figura na quinta colocação do torneio, atrás apenas do tradicional trio formado por Besiktas, Fenerbahçe e Galatasaray e do Ankaraspor.

Eto’o pode não ser mais o mesmo de outros tempos, mas mostra que ainda assim sabe o caminho para as redes adversárias.


Dupla com Guilherme

Jogador que viveu as mais variadas emoções no Atlético Mineiro, com um início péssimo de trajetória, muitas lesões durante todo o período e momentos de glória, como contra o Newell’s Old Boys, pela Copa Libertadores de 2013, e contra o Corinthians, na Copa do Brasil de 2014, Guilherme é um jogador que sabe tratar bem a bola e pode potencializar o desempenho de Eto’o.

Com especial visão de jogo, o brasileiro tem uma facilidade muito grande para enxergar espaços e encontrar seus companheiros em situações favoráveis. Como o jogador vive uma carreira cercada por altos e baixos é difícil apontar, com certeza, que o jogador conseguirá formar boa dupla com Eto’o, mas o fato é que seus estilos se encaixam. Em sua estreia, o brasileiro marcou um belíssimo gol, mostrando estar disposto a brilhar em seu novo desafio – bom para Eto’o.



A qualidade técnica e a capacidade para marcar gols do camaronês nunca foram postas em dúvida por ninguém. Suas escolhas todavia o foram. Não obstante, aquele movimento que poderia atestar que o jogador já não estava tão interessado em jogar seu melhor futebol – após fracassos na Inglaterra e na Itália – está revelando justamente o contrário: a constante fome de bola do craque, que, mesmo jogando em um clube de pouca expressão, não se cansa de fazer gols. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário