quarta-feira, 13 de janeiro de 2021

Obilic: Quando futebol e crime foram um só

Tempo de leitura:

Não é mistério para ninguém o fato de que, na Sérvia, o futebol é dominado por duas grandes potências. Mesmo quando o campeonato local ainda abarcava clubes de outros países eslavos, nos tempos em que a Iugoslávia os unia, os dois gigantes de Belgrado já se destacavam. Estrela Vermelha e Partizan são, historicamente, as equipes mais poderosas da região. Em 1997-98, porém, um nanico subjugou os gigantes. Valendo-se de todos os artifícios possíveis, o FK Obilić promoveu um hiato na habitual história do futebol local.

Obilic 1997-98
Foto: Desconhecido/Arte: O Futebólogo


Os dias de Arkan


A grafia pode ser diferente, mas o som é o mesmo. Aquele que acompanha as tramas de Batman, certamente, se lembrará do Asilo Arkham ao ler o nome do personagem que conduziu o pequeno clube da vila de Vračar, nas cercanias de capital iugoslava, ao sucesso. E a referência de fato é um tanto macabra. Não se engane, a casa dedicada ao aprisionamento de insanos é um dos lugares mais sinistros dos quadrinhos, séries e filmes. A questão é que Zeljko Raznatović, o Arkan da vida real, era tão temido quanto. Com uma diferença substancial: ele era feito de carne, pele e ossos.

Originalmente, Arkan pertencia aos círculos de poder na antiga Iugoslávia. Era filho de um coronel da Força Aérea, no regime do Marechal Tito. Porém, a afirmação de seu poder não seria construída por meio de caminhos políticos e militares (embora tenha contado com uma mãozinha para se livrar de apuros algumas vezes). Houve, sim, armas envolvidas. Mas as forças utilizadas foram paramilitares. Uma tendência para a marginalidade sempre o marcou. Segundo narra o jornalista Jonathan Wilson, em Behind The Curtain, o guerrilheiro aos 17 anos foi preso pela primeira vez.

Sem lugar em seu país, construiu reputação enquanto ladrão de bancos e joalherias na Europa Ocidental. Foi preso em países como Holanda e Bélgica, mas nunca ficou muito tempo trancafiado. Suas habilidades e sangue frio eram conhecidas. Isso ficou evidente quando passou a atuar ao lado do Departamento de Segurança do Estado (UDBA), uma espécie de KGB da Iugoslávia.

Arkan Red Star
Foto: Desconhecido/Arte: O Futebólogo

Um tipo por vezes taciturno, avesso aos vícios e adepto da disciplina, Arkan foi um dos responsáveis por tornar a torcida do Estrela Vermelha em um dos grupos de hooliganismo mais temidos do planeta. Parte de seus membros acabou integrando a Guarda Voluntária Sérvia, popularmente conhecida como “Os Tigres de Arkan”. 

A unidade foi um dos grupos paramilitares mais famosos da Europa, tendo sido responsável pela eliminação de uma infinidade de croatas e bósnios de origem islâmica, nas sangrentas guerras que ocorreram na década de 1990 nos Bálcãs. Esses conflitos tornaram Arkan ainda mais notório. E rico. Assim, em meados da década de 90, ele estava decidido a ter seu próprio time de futebol e, ademais, desviar as atenções de suas outras atividades.

Do Estrela Vermelha ao Obilić


Com ligações estreitas com o único time eslavo a ter conquistado a prestigiosa Copa dos Campeões da Europa, Arkan estava determinado a mandar no Estrela Vermelha. Todavia, não era tão fácil tomar um dos dois maiores clubes da região para si. Então veio a oportunidade com o Obilić, clube antigo (fundado em 1924) e nomeado em homenagem a Miloš Obilić, famoso guerreiro sérvio responsável pela morte de um sultão otomano na famigerada invasão de seu império à Sérvia, no século XIV.

A missão de transformá-lo em concorrente ao título era dura. Além de ser um clube de bairro, com pouca torcida e inexpressivo no contexto iugoslavo, encontrava-se na segunda divisão quando foi tomado em 1996. Logo, os Vitezov (Cavaleiros) mudaram da água para o vinho. O acesso veio com um recorde impressionante logo no primeiro ano.

Em 33 jogos disputados, conseguiu 25 vitórias, quatro empates e só perdeu em outras quatro ocasiões. De longe, teve a melhor defesa do certame: só foi vazado 16 vezes — média de 0,48 gol/jogo. O ataque também foi brutal, o segundo melhor do torneio, com 65 tentos anotados. 15 pontos separaram o Obilić do segundo colocado. Apesar disso, o prodígio não se deu sem a intervenção de uma mão poderosa e temida. Fora das quatro linhas. 

Arkan Obilic
Foto: Desconhecido/Arte: O Futebólogo

Quando o clube recebia seus adversários, podia-se esperar um pouco de tudo. Ameaças a árbitros, atletas e treinadores rivais. Telefonemas amedrontadores. Até mesmo emissão de gases sedativos nos vestiários do time visitante (o que levava, por exemplo, algumas equipes a desembarcar no gramado já trocadas, prontas para o embate, conforme narra Wilson). Isso sem falar em intimidações veladas, que ninguém ousava pagar para ver se resultariam em algo.

Até a torcida, composta em boa parte por membros dos “Tigres de Arkan”, era aterrorizante. O sucesso continuou na temporada que se seguiu e essas acusações nunca foram admitidas por quem quer que seja.

A corrida para a vitória


Em 1997-98, o Obilić obteve um registro ainda mais impressionante do que aquele do ano anterior. Agora na elite, em 33 jogos, só perdeu uma vez. Venceu outros 27 encontros e empatou cinco. Novamente, teve a melhor defesa, sofrendo apenas 19 tentos. Já o ataque marcou 72 vezes — apenas Estrela Vermelha e Partizan comemoraram em mais ocasiões.

É claro, nunca se saberá se de fato o pequenino clube era o time mais forte do país naquela temporada. E alguns resultados estranhos ajudam a entender o porquê de se pensar assim — além, claro, das alegações de absurdos extracampo. Na sexta rodada, o Obilić venceu o Estrela Vermelha, em casa, por 4 a 3. Um placar apertadinho demais.

A única derrota, curiosamente, também foi como mandante, para o Partizan, 2 a 1. Além disso, dos cinco empates, quatro aconteceram quando o time foi o visitante. É comum a obtenção de resultados piores fora de seu território? Em condições normais, sim. Considerando o histórico do clube e de seu mandatário algo, no mínimo, suspeito. O único empate ocorrido em casa foi justamente contra o poderoso Estrela Vermelha, por 2 a 2.

Contudo, nos resultados, não teve quem realmente desafiasse o time de Arkan. O Estrela Vermelha, vice-campeão, perdeu duas vezes e empatou uma nos confrontos diretos (ainda assim, terminando apenas dois pontos atrás do vencedor); o Partizan, embora tenha ganhado uma vez, perdeu as outras duas e terminou 16 pontos atrás, na terceira posição. 

Svetlana Raznatovic Obilic
Foto: SIPA Press/Arte: O Futebólogo

Alegadamente, por meio do uso de meios pouco ortodoxos — para dizê-lo eufemisticamente —, o Obilić conseguiu algo que, fora os dois gigantes, somente outras três equipes sérvias conseguiram na história. Além disso, chegou à disputa da Liga dos Campeões.

Aliás, o time também chegou à final da Copa da Iugoslávia em 1998, perdendo-a para o Partizan. Há quem fale em conluio entre as equipes, com os alvinegros entregando jogos de campeonato em troca do título da copa. Nada disso foi algum dia provado.

Crimes e um final nada prestigioso


Ciente dos absurdos que aconteciam em território doméstico, a UEFA tentou vetar a participação do clube na competição de clubes mais prestigiosa do planeta. Assim, terminou, em tese, o domínio de Arkan. Ele cedeu o clube a sua esposa — uma mera testa de ferro. E o Obilić jogou a competição no estádio do Partizan, em atenção aos padrões exigidos pela entidade europeia. Foi mal.

Na primeira fase, até eliminou os finlandeses do ÍBV, mas na sequência o Bayern de Munique destroçou os eslavos, com um 5 a 1 no placar agregado. O clube caiu para a disputa da Copa da UEFA, mas novamente fez campanha ruim, perdendo de cara para o Atlético de Madrid.


Em casa, entretanto, parecia que tudo ia bem. A luta pelo título nacional em 1998-99 estava viva, com o Obilić na segunda posição, atrás do Partizan. Mas o campeonato acabou interrompido após a OTAN intervir na Guerra do Kosovo e bombardear a Iugoslávia. O time alvinegro acabou sendo considerado o campeão. E muita coisa mudou após o final do sangrento combate.

As forças iugoslavas foram retiradas do Kosovo e começaram a ser feitas as acusações e procedimentos para a apuração de crimes de guerra. Embora tivesse se afastado do clube, Arkan foi um dos implicados, o que repercutiu no futebol. Assim, mesmo com o segundo lugar no campeonato iugoslavo de 1998-99, o Obilić foi impedido de disputar a Copa da UEFA, em razão das acusações de prática de crimes de guerra pelo condutor da equipe.

Arkan nunca chegou a ser julgado, porque, com 38 tiros no peito, foi assassinado em 2000. Quanto ao Obilić, em 1999-00 ainda conseguiu o terceiro lugar, feito que se repetiu no ano seguinte — já distante, em pontos, dos líderes. Um ano depois foi o quarto. A queda continuou com a mudança de nome do país (que passou a ser Sérvia e Montenegro), com o sétimo lugar em 2002-03. O rebaixamento acabou vindo em 2005-06.


Sob o comando de Svetlana Ražnatović, a esposa, uma famosa cantora conhecida popularmente como Ceca, o time foi ladeira abaixo. A dirigente, também envolvida em escândalos ligados ao crime organizado e desvio de verbas (efetivamente condenada em 2011), viu rebaixamentos sucessivos, um atrás do outro. Sem respiro. Rapidamente se chegou à oitava divisão. Pouco depois, o clube encerrou suas atividades no futebol profissional. 

Sem a impiedosa intervenção de Arkan, o Obilić não só voltou a ter seu papel tradicional no futebol local — o de time inexpressivo — como chegou ao verdadeiro fundo do poço. E as lembranças dos dias de glória não são propriamente bonitas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário