quarta-feira, 12 de janeiro de 2022

A antiga e duradoura conexão anglo-sueca

Tempo de leitura:

A Suécia carrega consigo uma respeitável história no futebol. Sua trajetória remonta tempos já muito distantes, o que ajudou a consolidar sua tradição. Quarta colocada no Mundial de 1938, terceira em 1950, campeã olímpica em 1948… A equipe escandinava, de tempos em tempos, aparece para reclamar seu sólido lugar nos contos dos gramados. Os brasileiros que o digam: em 1958, ao contrário do que o placar final sugere, foi preciso correr atrás do prejuízo na final da Copa do Mundo, uma vez que foram os suecos que saíram na frente, com gol do craque Nils Liedholm. Aquele êxito foi o retrato de uma relação estabelecida na década passada, quando azuis e amarelos começaram a forjar um pacto com os ingleses, no comando do leme, fora das quatro linhas.

George Raynor Sweden
Foto: Tore Falk/ Expressen/PA Images/ Arte: O Futebólogo


George Raynor: o azar inglês é a sorte sueca


Sua carreira como futebolista não teve absolutamente nada de notável. Em quase 10 anos, rodou por Wombwell, Sheffield United, Mansfield Town, Rotherham United, Bury e Aldershot. Sua história como treinador também não tinha nenhum diferencial quando foi apontado ao comando sueco.

George Raynor havia liderado o Iraque durante a Segunda Guerra Mundial e, ao final, retornara à Inglaterra, trabalhando no time reserva do Aldershot. Contudo, Stanley Rous, secretário da Federação Inglesa de Futebol (FA), o indicou aos escandinavos, que, ainda que desconfiados, aceitaram. E, como viria a declarar o comandante, posteriormente, a aposta se pagou: “De alguém suspeito, me tornei um herói”. Tudo começou em 1946.

Raynor levou à Suécia ideias novas e uma forma de trabalhar com menos gritos e mais conversa, algo diferente. Conforme narraram os ingleses do Daily Mail, com ele também nasceu uma nova posição, que foi fundamental para os sucessos do selecionado: “Era, essencialmente, um construtor de jogo, que buscava a bola na defesa e a levava aos atacantes”. Em tempos amadores, o bretão levou consigo doses cavalares de profissionalismo.

George Raynor
Foto: Coventry City/Arte: O Futebólogo

Aos poucos, foi encontrando os melhores jogadores do país e os resultados começaram a vir. Sem dúvidas, o mais expressivo em seu início foi a conquista do Ouro Olímpico, em 1948, justo em Londres. Os êxitos nessa competição não pararam por aí, porque quatro anos mais tarde o time ficou com o Bronze — o Ouro vencido pelos magiares da brilhante geração húngara de Ferenc Puskas. No intervalo entre uma disputa e outra, os ingleses foram forçados a notar a presença de George: em maio de 1949, os suecos venceram a Inglaterra, por 3 a 1, em Estocolmo.

Aquele time veria, por exemplo, Liedholm e Gunnar Nordahl brilharem no futebol italiano, na sequência. Mais uma consequência do grande trabalho de Raynor.

Os sucessos da Suécia chegaram às Copas do Mundo, como indicam o terceiro lugar, em 1950, e o vice-campeonato, como anfitriã, em 58. Grande parte disso se deve ao pensamento além de seu tempo que o comandante exibia. Ele refletia sobre o jogo e compartilhava tudo com seus jogadores. Também olhava para fora das quatro linhas. Queria saber tudo sobre condições climáticas dos lugares em que ia jogar, além da dieta e os hábitos de seus comandados.

“Nenhum time no mundo teria vencido o Brasil aquele dia. Poucos escapariam levando tal quantidade de gols”, disse Raynor ao The Times.

Brazil Sweden 1958
Foto: Popperfoto/Arte: O Futebólogo

Reza a lenda que George tentou estabelecer diálogo com a FA. Procurou transmitir os resultados de suas experiências com a alta cúpula do futebol de sua pátria. Teria sido solenemente ignorado. Pior para os ingleses. A ignorância ao que acontecia além de seu arquipélago, e a adesão religiosa a velhos padrões, foi a sorte da Suécia.

Raynor até deixou o comando azul e amarelo em 1954, mas retornou dois anos depois, após passagens medíocres por Juventus, Lazio e Coventry. Ficou até 58, e ainda voltou uma última vez em 61. O primeiro inglês a levar uma equipe à final de um Mundial nunca realizou o sonho de conduzir seu país.

Nova revolução com Hodgson e Houghton


A conexão anglo-sueca viveu novos e prósperos dias nos anos 1970. Sobretudo com dois importantes expoentes. A passagem de Roy Hodgson como jogador pelo modesto Maidstone United — entre 1971 e 72 — acabou sendo um divisor de águas em sua vida. Ele ainda teve mais quatro anos de carreira antes de pendurar as chuteiras, mas naquele início de década conheceu Bob Houghton, então treinador-jogador a despeito da pouca idade (24 anos). Ficaram amigos, e, durante um tempo, ele foi também uma espécie de auxiliar.

Depois de passar um tempo na África do Sul, Hodgson retornou ao futebol inglês e terminou a carreira no Carshalton Athletic. E quase não ficou desempregado. Isso porque Bob Houghton, que apesar da juventude, começava a se firmar como treinador, fez uma indicação. Líder do Malmö, e já bicampeão sueco, Bob recomendou Roy para o Halmstad.

Bob Houghton Malmö
Foto: EMPICS/Peter Robinson/Arte: O Futebólogo

Era o ano de 1976, e a revolução iniciada por Houghton ganhou ainda mais força. Com os dois rivalizando (Hodgson vencendo o campeonato nacional já em sua primeira temporada), a Suécia se viu imersa em novidade. De repente, não fazia mais sentido atuar com três zagueiros e fazer marcação homem a homem. Os ingleses levaram à Escandinávia novos conceitos: esquema tático 4-4-2, marcação por zona, linha de impedimento e pressing foram apenas algumas.

Aquele foi um período glorioso para o futebol sueco. Tanto que em 1979, bravo, o Malmö de Houghton chegou à final da Copa dos Campeões da Europa e perdeu por 1 a 0 para o Nottingham Forest, de Brian Clough.

Outro grande produto da dupla inglesa acabou sendo o treinador Sven-Göran Eriksson. Um dos vários que beberam dessa fonte, o sueco conduziu o Gotemburgo ao título da Copa da UEFA, em 1982. As lições de Houghton e Hodgson mudaram para sempre o futebol sueco.

Roy Hodgson Halmstad
Foto: HBK/Arte: O Futebólogo

“Eles introduziram um estilo totalmente novo de se jogar futebol. Antes disso, os times suecos eram muito influenciados pelos alemães e estavam jogando com marcação homem a homem. Mas eles trouxeram a marcação por zona e uma nova forma de iniciar os ataques. Era algo novo. Acredito que Bob tinha 27 anos quando chegou aqui e foi fascinante. Um jovem veio para cá para nos ensinar a jogar futebol”, refletiu Lars Lagerback, ex-treinador de Suécia e Islândia aos ingleses do Guardian.

A contrapartida que não saiu como esperado: Sven-Göran Eriksson


Muitos anos mais tarde, depois de se firmar como um dos principais treinadores do planeta — passando por equipes como Benfica, Roma e Lazio —, Eriksson teve a oportunidade de oferecer à Inglaterra sua gratidão. Em 2001, tornou-se o primeiro estrangeiro a comandar os Three Lions. Ele chegava para substituir Kevin Keegan, que fracassara retumbantemente na Euro 2000, vendo Portugal e Romênia avançarem na fase de grupos.

A expectativa era gigantesca, como não poderia ser diferente. Era a primeira vez em que a Inglaterra dizia para quem quisesse ouvir: “Precisamos aprender com o mundo”, ainda que isso significasse trazer alguém cujo pensamento estava intimamente ligado à mentalidade local.

As esperanças também existiam porque a geração inglesa era reconhecidamente boa. Ashley Cole, Rio Ferdinand, Sol Campbell, David Beckham, Paul Scholes, Joe Cole, Michael Owen… Isso ficou reforçado quando o selecionado inglês terminou as eliminatórias para a Copa do Mundo de 2002 com a primeira colocação de seu grupo, à frente da Alemanha.

Sven-Göran Eriksson England
Foto: Desconhecido/Arte: O Futebólogo

No Mundial, a história já foi diferente. O segundo lugar do difícil Grupo F (dividido com Argentina, Nigéria e a líder Suécia, de Lagerback) não empolgou, mas também não desanimou. As coisas até melhoraram depois que os britânicos despacharam a Dinamarca, por 3 a 0, nas oitavas de final. Mas no meio do caminho dos Three Lions havia o Brasil, e a Canarinho tinha um jogador que podia tirar coelhos da cartola (até involuntariamente). Com gol fabuloso de Ronaldinho Gaúcho do meio de campo, os de verde e amarelo avançaram.

Na Eurocopa em 2004, novamente os ingleses carregaram expectativas. Já tinham naquela altura gente como Wayne Rooney, John Terry, Steven Gerrard e Frank Lampard. Avançaram aos mata-matas mas logo caíram para os anfitriões portugueses — nos pênaltis. É certo que o trabalho desempenhado não era tão ruim, mas a longa espera por um título já durava 40 anos, quando Eriksson conduziu a Inglaterra à Copa do Mundo de 2006. E isso pesava.

England defeated by Portugal 2006
Foto: AFP/Getty Images/Arte: O Futebólogo

Mesmo tendo na Suécia mais uma vez uma pedra no sapato na fase de grupos, dessa vez os ingleses avançaram em primeiro lugar. E bateram o Equador nas oitavas. Tudo para perder, novamente nos pênaltis, para Portugal. Era muito azar. Parecia que, simplesmente, treinador e seleção não haviam nascido para obter o sucesso juntos.

Graham Potter, o último expoente


Quase 40 anos depois de Roy Hodgson e Bob Houghton iniciarem sua revolução na Suécia, outro inglês de carreira obscura como jogador apostou suas fichas enquanto treinador em um início na Escandinávia. Com background universitário (se formou em Ciências Sociais durante a carreira de atleta e já é mestre), tendo trabalhado com equipes de futebol da University of Hull e da Leeds Metropolitan University, Graham Potter recebeu sua primeira oportunidade como profissional no nanico Östersund, em 2011. “As ligações do Barcelona e do Manchester United não estavam exatamente vindo a mim”, brincou Potter em reportagem da BBC.

Parecia uma loucura. Insanidade completa. O que leva um inglês a trocar seu país por uma equipe da quarta divisão sueca em uma cidade gelada com pouco menos de 50 mil habitantes? O desejo de ser técnico. Tudo com uma pitada de sorte. O clube sueco costumava jogar amistosos de pré-temporada contra o Swansea City, então treinado por Roberto Martínez, cujo assistente era Graham Jones — este, amigo pessoal de Potter, com quem atuara no Boston United. Foram pedidas recomendações ao corpo técnico galês. Potter foi indicado e partiu.

Apesar da adaptação difícil, sua e da família, ele estava realizando seu sonho. E fez valer cada dia difícil vivido no país escandinavo. Além da divisão inexpressiva que disputava, o Östersund, fundado em 1996, não tinha sequer 20 anos de vida. Segundo afirmou ao Guardian, a chave foi acreditar: “Quando você faz esse tipo de mudança, com esses sacrifícios, precisa fazer funcionar”.

Graham Potter Ostersund
Foto: Burak Akbulut/ Andolu Agency/ Getty Images/Arte: O Futebólogo

Dificuldades para se ambientar ao país e encontrar jogadores foram apenas algumas das que enfrentou. Mas o time prosperou. Degrau por degrau, foi subindo. Da quarta divisão para a terceira; da terceira para a segunda; da segunda para a elite; do acesso para a conquista da Copa da Suécia, em 2016-17; do título à disputa da Liga Europa e à notoriedade, com o time indo aos mata-matas e caindo apenas perante o Arsenal.

Dessa vez a revolução também se deu fora dos campos, com a aposta no lado humano, fazendo valer a formação acadêmica de Potter. À mesma reportagem do Guardian, o comandante citou os pilares de seu trabalho: “Empatia e confiança”. O sucesso veio nas quatro linhas, nas arquibancadas e na cidade, que ganhou um motivo de orgulho.

Mais uma vez, um inglês testou suas chances na Suécia. Prosperou e se tornou mais um expoente dessa pouco falada, mas forte relação entre técnicos britânicos e o futebol sueco. Dessa vez, porém, foi logo reconhecido. Ainda que não tenha chegado à Premier League, em 2018 assinou com o Swansea City, indo à segundona inglesa. Sua trajetória ainda promete muitos capítulos, mas o jovem já preencheu páginas históricas — e heroicas. Dignas de seus antecessores.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos a sua contribuição! ⚽