quarta-feira, 26 de janeiro de 2022

É impossível intimidar Duncan Ferguson

Tempo de leitura:

Geralmente, estereótipos têm pouca valia. Por mais que precise se adequar a determinadas convenções para viver em sociedade, o ser humano é, essencialmente, único. Não obstante, são justamente os tais padrões que auxiliam o observador externo a construir a imagem de um determinado povo. Por isso, é pouco provável que o escocês médio se ofenda por ser conhecido pelos enormes volumes de bebida alcóolica que consome e a predileção por uma boa briga. Duncan Ferguson não foge à regra.

Ducan Ferguson Everton Referee Problems
Foto: Ross Kinnaird/ Getty Images/Arte: O Futebólogo

Meu passado me condena


Era impossível passar despercebido. Com 1,93m e porte físico imponente, Duncan Ferguson era um centroavante que poderia, facilmente, incomodar os defensores adversários. No entanto, uma coisa era, enquanto jogador, dar um empurrãozinho aqui, uma cotovelada ali ou um pisão acolá. Outra, muito diferente, era, por exemplo, cabecear deliberadamente um adversário.

Duncan parecia destinado ao estrelato quando surgiu no Dundee United. Tinha 18 anos, o talento necessário para empilhar gols e atributos físicos para garantir que essa se tornasse sua realidade. O reconhecimento chegou rápido, já que com 20 recebeu seu primeiro chamado à seleção escocesa. Então, foi seguindo os passos normais para alguém que surge no contexto de seu país, mas não nos gigantes de Glasgow: em 1993, agora com 21, foi vendido ao Rangers, estabelecendo o novo recorde britânico de gastos em uma transferência: 4 milhões de libras.

Suas qualidades eram indiscutíveis — como a propensão para arrumar problemas extracampo. Em 1991, o jogador se envolveu pela primeira vez em problemas com as forças policiais locais. No caso, deu uma cabeçada em um oficial. O resultado foi o pagamento de multa de 100 libras, somado de outras 25 por perturbação do sossego.

Ferguson Dundee United
Foto: Dundee United/Arte: O Futebólogo

Dois anos mais tarde, Ferguson voltou a protagonizar cenas lamentáveis. O artilheiro estava em uma fila, aguardando sua oportunidade de pegar um táxi, quando, subitamente, atacou um carteiro que também esperava por um carro. Detalhe: o indivíduo tinha 19 anos e só conseguia caminhar com o auxílio de muletas, já que havia operado os ligamentos de um de seus joelhos. Supostamente, o homem estaria provocando Duncan e sua namorada, o que teria ocasionado a reação. Logo, diante de provas em vídeo, o jogador foi julgado e condenado ao pagamento de 200 libras de multa. Questionado pelo oficial Andrew Laing, Ferguson garantiu: “Teria feito tudo de novo”, como noticiou o The Herald, em março de 1993.

Tais acontecimentos fizeram com que o jovem atacante tivesse antecedentes criminais, os quais acabaram sendo determinantes para o destino do jogador.

A cabeçada que custou a liberdade


Em 1994, já como atleta do Rangers, Duncan disputava uma partida contra o modesto Raith Rovers, um time condenado ao rebaixamento, quando disputou a bola e deu uma cabeçada no defensor Jock McStay. O árbitro não viu. E o garoto sequer recebeu um cartão amarelo. No entanto, não escapou à Justiça. Ele estava em liberdade condicional na época dos fatos e acabou condenado ao cumprimento de três meses de prisão.

Para McStay, a cabeçada abriu as portas do inferno, já que logo passou a trocar constantemente de clube (no ano e meio que se seguiu foram três, sendo que ele estava há sete no Raith) e teve de enfrentar uma depressão que o levaria a ser medicado por 18 anos. “Não culpo a cabeçada. As coisas acontecem na vida”, disse em entrevista ao The Scotsman.


A cabeçada também acabou afastando Ferguson da Seleção Escocesa. A condenação aconteceu em outubro de 1995 e a Scottish Football Association acrescentou um banimento de 12 partidas à sentença. Sentindo-se traído por quem, a seu ver, deveria ter lhe estendido a mão, Duncan anunciou que não voltaria a representar seu país, que só defendera em sete ocasiões.

“É um vazio enorme. Pensei muito nisso durante minha carreira. As pessoas que me conhecem sabem que gostaria de ter jogado 100 vezes pelo meu país [...] Eu poderia ter voltado, mas por causa da situação com a SFA mantive minha posição. Ainda acredito que fiz bem”, afirmou ao The Journal.

Ser roubado? Jamais


Outro capítulo marcante na trajetória do escocês — e igualmente inusitado — aconteceu em janeiro de 2001. Já jogador consagrado do Everton, tendo também passado brevemente pelo Newcastle, foi surpreendido quando, aproximadamente à uma hora da manhã, dois homens tentaram invadir sua casa. Ao seu estilo, desafiou os intrusos.

Enquanto Ferguson aplicava uma bela surra em um deles, Barry Dawson, o outro, Michael Pratt, certamente espantado diante da reação do homenzarrão, fugiu da cena do crime. Duncan deixou o incidente com escoriações na cabeça, já o ladrão… Bem, ele foi levado de ambulância ao hospital.

O atacante acabou felicitado pelo inspetor Steve Sansbury: “Um dos alegados infratores foi levado ao hospital para tratar as lesões obtidas durante uma briga com o dono da casa [...] Estamos satisfeitos que o proprietário, que também se machucou no incidente, tenha agido brava e responsavelmente quando encontrou os intrusos em sua casa”, relatou o The Herald.

Duncan Ferguson Everton
Foto: Shaun Botterill/ Getty Images/Arte: O Futebólogo

A situação, por si só, é suficientemente insólita para ocorrer uma vez. Imagine duas.

Dois anos mais tarde, em janeiro de 2003, um novo (e desavisado) ladrão tentou invadir a residência Ferguson. Dessa vez, a situação não se desenrolou tão calmamente para o jogador. Novamente, o atacante deu uma coça memorável no invasor. Carl Bishop, de 37 anos, declarou-se culpado pela invasão, mas formalizou acusações face ao jogador por agressão, o que o levou a ser investigado.

Concluiu-se que Bishop, contra quem já pesava uma condenação criminal, deveria estar sob a custódia das autoridades, depois de falhar em um teste de drogas. Assim, um mês mais tarde, o caso foi arquivado e, aparentemente, os criminosos locais entenderam que deveria haver casas mais fáceis de se assaltar.

“Palavra de honra: nunca comecei nada, mas terminei algumas coisas”


A vida de Ferguson, um homem que intimidava até mesmo o irlandês Roy Keane, histórico capitão do Manchester United — que chegou a admitir que “procurava ficar longe dele” durante os jogos — também passou por outros momentos emocionantes. Um deles ocorreu pouco após sua chegada ao Everton, às vésperas de seu primeiro derby contra o Liverpool. Duncan havia ido a um bar e consumido álcool. Posteriormente, enquanto retornava ao seu quarto de hotel, onde vivia temporariamente, foi parado por dirigir perigosamente.

Segundo narra o jornalista Alan Pattullo, autor do livro In Search of Duncan Ferguson: The Life and Crimes of a Footballing Enigma, teria se desenrolado uma conversa entre o atleta e o policial responsável. “Você bebeu?”, teria questionado o oficial. “Não, não, não, eu não bebi”, respondeu Ferguson. O jogador entregou a chave de seu quarto à garota que o acompanhava e seguiu para a delegacia da St. Anne Street. Ao perceber de quem se tratava, outro policial, torcedor do Everton, tentou lhe dar bastante água, para ajudar a diminuir a concentração de álcool em seu sangue, antes de fazer um exame.

Book Duncan Ferguson

Segundo o jogador, o teste indicou um excesso de apenas 15 miligramas, o que foi recebido com surpresa: “Não sei o que aconteceu — eu havia bebido cinco garrafas de vinho tinto!”. Na ocasião, o atacante foi obrigado a pagar uma multa de 500 libras.

Dentro do campo, Duncan Disorderly, como ficou conhecido, também protagonizou outros momentos facilmente esquecíveis. Certa vez, Ferguson disputava um clássico contra o Liverpool quando dominou uma bola, passou-a e se chocou com Paul Ince, que tentava recuperar a posse. Duncan simplesmente o jogou uns dois metros adiante. Pelo pescoço. E essa não foi uma das nove vezes em que foi expulso durante a carreira — oito delas em jogos de Premier League.


Já em 2004, em jogo contra o Leicester, Ferguson, com toda a sua sutileza, deu uma gravata no alemão Steffen Freund, com quem disputava uma bola. Foi marcada a falta e o escocês acabou amarelado. Irresignado, foi atrás do árbitro, verbalizando toda a sua indignação. Foi expulso e ainda tentou ir para cima de Freund outra vez, agarrando-o pelo pescoço.

Em outra ocasião, durante jogo contra o Wigan, em 2006, o atacante vinha se engalfinhando com o zagueiro Paul Scharner, até o jogador o jurar. Pouco importa que tenha sido em austríaco. O goleador se sentiu ofendido e lhe entregou um soco no estômago. “Ele foi expulso, mas eu comecei a gostar de como ele conquistou sua reputação como um hard man. Foi um bom soco, tenho que admitir”, disse Scharner ao Daily Mail. Além do vermelho, o escocês ainda foi punido com uma suspensão de sete jogos.


Há mais casos. Talvez por isso o atacante protagonize um livro. Quem o conhece, diz que Duncan Ferguson tem um coração enorme, em que pese sua propensão a se colocar em confusões. Pelo que fez dentro dos campos, assumiu a condição de ídolo do Everton. Aposentado em 2006, voltou em 2011 para trabalhar como treinador de categorias de base e, desde 2014, é um dos auxiliares técnicos do time principal. Ele também se tornou o escocês que mais vezes marcou gols na Premier League (69). Algo de bom Big Dunc deve ter feito durante seus 16 anos de carreira, afinal.

Um comentário:

  1. Ferguson se tratava de uma mistura de heleno de freitas com almir pernambuquinho acrescido com doses de edmundo kkkkkkkkk.

    ResponderExcluir

Agradecemos a sua contribuição! ⚽