terça-feira, 9 de janeiro de 2018

Promessa hoje, realidade amanhã? – Versão 2017

Mais um ano terminou e, como sempre acontece, uma porção de bons jogadores jovens se apresentaram ou se firmaram mundo afora. Como em todos os anos, desde 2012, O Futebólogo traz um elenco de respeito, com algumas das melhores novidades de 2017. 



1 – Kylian Mbappé (Monaco-FRA/PSG-FRA)
19 anos. É indiscutível o fato de que o atacante Kylian Mbappé foi a melhor novidade que despontou no último ano. Ele já havia estreado na temporada 2015/16, mas só foi explodir na última campanha, sobretudo após a virada do ano. Bateu recordes de precocidade (de estreia como profissional e de primeiro gol marcado) e formou dupla de ataque poderosa com o colombiano Falcao García. O francês mostrou técnica, frieza e faro de gol. Também revelou certa versatilidade, sendo útil pelos flancos ou mais próximo ao gol adversário. Foi comparado a Thierry Henry e garantiu sua passagem para o Paris Saint-Germain, clube em que segue brilhando.

2 – Arthur (Grêmio-BRA)
21 anos. Sua primeira aparição foi em 2015, mas a verdade é que o volante só se afirmou no time titular do Grêmio no curso do ano de 2017. Rapidamente, ganhou a alcunha de “Iniesta brasileiro” e conquistou seu primeiro chamado à Seleção Brasileira. A alusão ao craque espanhol não poderia ser por outro motivo senão as qualidades de Arthur. O garoto demonstrou no ano que terminou capacidades raras, de leitura do jogo, desarmes limpos e de passes precisos. O treinador da Canarinho se impressionou com o que viu: “Vi jogando com naturalidade em um momento extremamente importante da temporada, com o nível de concentração muito alto”. Fisicamente, o meio-campista ainda não está preparado para o mais alto nível, mas futebol, que é o mais importante, Arthur mostrou – e muito.

3 – Tom Davies (Everton-ING)
19 anos. Tom Davies apareceu como um tornado na Inglaterra. Embora seja outro atleta que estreou em 2015/16, o meio-campista só foi ganhar destaque no último ano. A ocasião, para tanto, dificilmente poderia ser mais desafiadora. Era janeiro de 2017 quando o jogador brilhou intensamente em partida contra o Manchester City. O Everton bateu o time treinado por Pep Guardiola por 4 a 0. Davies foi o motorzinho do time, com impressionante dinâmica de jogo, gol marcado e prêmio de melhor em campo. Fez-se um estardalhaço ao redor do jogador. Porém, como todo o time dos Toffees, em crise em 2017/18, o garoto caiu de rendimento. Seu potencial, contudo, ficou muito evidente.

4 – Douglas Luiz (Vasco-BRA/Girona-ESP)
19 anos. Quando 2017 começou, era difícil saber o que esperar do Vasco da Gama. Sem muito dinheiro em caixa, o clube acabou apostando em alguns garotos da base. Douglas foi um deles, mas durou muito pouco. É bem verdade que já havia estreado e atuado em 15 jogos no ano de 2016, em um contexto complicado, de pressão e maus resultados. Porém, seu maior destaque foi percebido somente no ano seguinte. É mais um que se destaca pelo ritmo que imprime às partidas, além da boa técnica e qualidade nos passes. Acabou sendo vendido ainda muito cedo ao Manchester City e repassado, por empréstimo, ao Girona.

5 – Kepa Arrizabalaga (Athletic Bilbao-ESP)
23 anos. Durante muito tempo a meta do Athletic Bilbao foi defendida por Gorka Iraizoz, jogador que foi ídolo e referência no País Basco. Isso fez com que o espaço para o surgimento de um jovem goleiro fosse pouco. Assim, Kepa teve que passar por Ponferradina e Valladolid antes de ganhar chances reais no gol dos Leones. Quando assumiu, todavia, não mais saiu. Destacou-se pelos reflexos, a boa saída com os pés e o alto nível de concentração. Logo, foi chamado à Seleção Espanhola (treinada por Julen Lopetegui, que anteriormente já havia o convocado para equipes de base) e, com as negativas do Manchester United em vender David De Gea, foi alçado a alvo do Real Madrid.

6 – Ezequiel Barco (Independiente-ARG)
18 anos. Se o muito bem treinado time do Independiente campeão da Copa Sul-Americana de 2017 tinha um destaque individual esse era Ezequiel Barco. Apesar da pouca idade, El Demonio demonstrou personalidade de veterano no curso da competição. Driblando, enfrentando seus adversários no um contra um e não se eximindo da tarefa de cobrar o pênalti que garantiu o troféu para o Rey de Copas, firmou-se como uma das maiores revelações da América do Sul. Tem sido abordado pelo Atlanta United e pode, em breve, jogar a MLS.

7 – Carlos Soler (Valencia-ESP)
21 anos. Carlos Soler despontou em um momento complicado, uma verdadeira fogueira. O ano de 2016/17 do Valencia foi muito ruim. Houve muitas trocas de treinadores, resultados ruins e atuações inconsistentes. Pior contexto dificilmente poderia existir para se lançar um prospecto. No entanto, o atleta deu conta do recado e se salvou em meio ao naufrágio Che. Em 2017/18 tudo mudou. O comandante Marcelino Toral assumiu a causa valenciana e os morcegos, à exemplo da Fênix, ressurgiram das cinzas. Soler, jogador extremamente hábil na condução da bola e perito em sua distribuição, tem sido titular nessa volta, embora tenha passado a atuar pelo lado direito da meia cancha.

8 – Federico Chiesa (Fiorentina-ITA)
20 anos. Esse sobrenome não deixa margem para dúvidas: Federico Chiesa é filho de Enrico, importante nome do futebol italiano nos anos 90 e 2000. Diferentemente do pai, o filho prefere cair pelo flanco direito do ataque do que de habitar a pequena área adversária, sendo mais eficaz na construção de jogadas do que na finalização das mesmas. No entanto, também já registra uns golzinhos e se firmou como titular da Viola. Recentemente, também estreou pela Seleção Italiana, que não vive bom momento, mas tem no garoto uma esperança.

9 – Kai Havertz (Bayer Leverkusen-ALE)
18 anos. Quem acompanha o futebol de perto, provavelmente, deve ter se deparado com a notícia de que o Bayer Leverkusen deixou um atleta de lado, para a partida contra o Atlético de Madrid, pela UEFA Champions League, por conta de estudos. Esse é Kai Havertz, uma das joias da BayArena. Jogador mais novo a vestir a camisa do clube em todos os tempos, o meia se destaca, sobretudo, pela inteligência com a qual coloca seus passes para seus companheiros. É comparado a Mesut Özil e já registra cinco assistências na temporada 2017/18, em 14 jogos. Em 2016/17 também ofereceu cinco passes para gols, assinando ainda outros quatro tentos, em 24 jogos de Bundesliga.

10 – Wendel (Fluminense-ITA/Sporting-POR)
20 anos. Wendel é mais um volante de muito futuro que apareceu no futebol brasileiro em 2017. Com impressionante regularidade para alguém tão jovem, tornou-se o termômetro de um Fluminense irregular e recheado de garotos. Ainda que não seja primoroso em desarmes, consegue muitas interceptações e tem fôlego invejável. Além disso, mostra qualidade com a bola nos pés para se sair bem quando apertado pela marcação adversária. Wendel, no entanto, tem mais características de infiltração do que de controle da bola. É outro atleta que acaba de deixar o futebol brasileiro.


11 – Patrik Schick (Sampdoria-ITA/Roma-ITA)
21 anos. A temporada 2016/17 de Patrik Schick revelou, aos poucos, um atacante possante na Sampdoria. Demorou para engrenar, ficando muitas vezes na reserva de Luis Muriel e Fabio Quagliarella, mas gradualmente o tcheco foi mostrando seu valor (e que valor). Embora seja alto, não deixa de ter qualidade com a bola nos pés, tendo uma finalização poderosa com a perna canhota. Ao final da temporada, foi disputado a tapa por vários clubes, chegou a fazer exames médicos na Juventus, mas acabou assinando com a Roma, clube em que ainda tenta se firmar.

12 – Kasper Dolberg (Ajax-HOL)
20 anos. Um dos grandes destaques do Ajax na campanha que levou os Godenzonen ao vice-campeonato da Europa League 2016/17, o atacante dinamarquês despontou no último ano como um goleador prolífico. Somadas as partidas da competição continental e o Campeonato Holandês, fez 22 gols em 42 jogos, além de ter contribuído com sete assistências. É alto (1,87m), tem mobilidade e finaliza muito bem. Como o próprio clube, faz uma temporada irregular em 2017/18, mas já mostrou ter futebol para chegar ao mais alto nível.

13 – Manuel Locatelli (Milan-ITA)
20 anos. Meio-campista que busca construir o jogo vindo de uma posição inferior, Locatelli surgiu em 2015/16, mas só ganhou espaço de verdade no ano que se seguiu. Inspirado em Andrea Pirlo, dá dinâmica ao jogo Rossoneri e tem grande valia na transição defesa-ataque. Sua principal virtude é o passe, o que não faz do atleta alguém inútil no combate, muito pelo contrário. Apesar disso, tem oscilado bastante, aliás, como o próprio Milan.

14 – Matheus Fernandes (Botafogo-BRA)
19 anos. Sim, o ano de 2017 do Botafogo não terminou como o torcedor alvinegro esperava. A classificação para a Copa Libertadores da América era um objetivo realista e até esperado, mas acabou não sendo consumada. Contudo, a Estrela Solitária teve muito do que se orgulhar no ano. A boa campanha na dita competição continental, é, sem dúvidas, um dos motivos. Junto a ela, as performances de um jovem e talentoso volante: Matheus Fernandes. Com excelente leitura do jogo, mostrou-se extremamente eficaz na recuperação da bola, tanto nos desarmes quanto nas antecipações. É mais um ótimo volante a despontar no Brasil em 2017.

15 – Lucas Paquetá (Flamengo-BRA)
20 anos. Polivalência e entrega são os adjetivos que melhor descrevem um garoto que foi crescendo no curso da temporada do Flamengo. Em alguns momentos ofuscado pela expectativa e os milhões despejados pelo Real Madrid na contratação de Vinícius Júnior, Lucas Paquetá terminou o ano de 2017 como titular do rubro-negro, com ótima participação na fase decisiva da Copa Sul-Americana. Aberto pelos flancos ou improvisado como falso 9, mostrou técnica e garra. Ajudou os laterais flamenguistas na recomposição defensiva e revelou ser alguém com quem se pode contar.

16 – Dayot Upamecano (Red Bull Salzburg-AUT/RB Leipzig-ALE)
19 anos. A política de contratações do RB Leipzig não é mistério para ninguém. Com um scout forte, o clube, que conta com alguns “irmãos” mundo afora, tem primado pela descoberta de bons e jovens valores. Um dos mais recentes é o zagueiro Dayot Upamecano. Formado no Valenciennes e com passagem pelo Red Bull Salzburg, desembarcou na Alemanha em janeiro de 2017 e logo ganhou minutos com o treinador Ralph Hasenhüttl. Embora não seja grandalhão (1,85m), vai bem no jogo aéreo e se destaca por critérios técnicos como o passe, os desarmes e interceptações.

17 – Franck Kessié (Atalanta-ITA/Milan-ITA)
21 anos. Meio-campista marfinense que se inspira em Yaya Touré e Michael Essien, Franck Kessié começou a se destacar no futebol europeu com a camisa do Cesena. No entanto, foi só em 2016/17, representando a Atalanta, que o jogador decolou. Embora ainda não seja um jogador marcado pela regularidade, é um daqueles médios que sabem fazer de tudo um pouco. Ainda sofre com falhas de concentração em alguns momentos das partidas, mas tem técnica e, embora não tenha maestria no passe, sai-se bem também nesse departamento. Seu contributo defensivo, no que diz respeito à recuperação de bola, ainda pode melhorar.

18 – Amine Harit (Nantes-FRA/Schalke 04)
20 anos. Pouca gente apostaria que o Schalke 04 frequentaria assiduamente o topo da tabela da Bundesliga quando se desenhou seu início. O clube havia contratado um treinador jovem demais, perdera referências e contratara pouco – mas bem, como ficou provado. Após fazer ótima temporada sob o comando do português Sérgio Conceição no Nantes, o marroquino Amine Harit partiu para os Azuis Reais e tem sido titular. Driblador, tem sido fundamental, sobretudo por sua capacidade de vencer os marcadores e desconstruir defesas por meio de sua habilidade.

19 – Milan Skriniar (Sampdoria-ITA/Inter-ITA)
22 anos. Para muitos o melhor zagueiro do futebol italiano na primeira metade da temporada 2017/18, Milan Skriniar vem em crescente. Na campanha anterior, vestindo a camisa da Sampdoria, o eslovaco cavou lugar na equipe titular e nunca mais saiu. Zagueiro de imposição física, forte jogo aéreo e que passa muita segurança ao torcedor, vive momento impressionante e formou dupla sólida com o brasileiro Miranda. Também se destaca pela qualidade e calma na saída de bola.

20 – Wilfred Ndidi (Genk-BEL/Leicester-ING)
21 anos. Quando o Leicester, então campeão inglês, viu-se sem seu esteio, sua formiguinha, parecia ser impossível encontrar alguém que atenuasse a falta de N’Golo Kanté. Entretanto, Wilfred Ndidi chegou, vindo do Genk, e tem jogado futebol de primeira qualidade. Embora não tenha as mesmas características ou desempenho de seu antecessor, o nigeriano ocupou seu lugar e a torcida dos Foxes não tem tido do que reclamar. O corpo esguio e as passadas largas escondem um jogador poderoso no desarme e no jogo aéreo.

21 – Paulinho (Vasco-BRA)
17 anos. Outro jogador lançado recentemente pelo Vasco da Gama, Paulinho tem se revelado uma grata surpresa. Embora tenha apenas 17 anos, o atacante se comportou bem nas oportunidades que teve (foi decisivo em ao menos duas ocasiões) e aparece como um jogador a ser observado em 2018, mesmo porque pode atuar em várias posições distintas no setor ofensivo. Seu destaque inicial se deu com a camisa da Seleção Brasileira Sub-17, no Sul-Americano da categoria.

22 – Mattia Caldara (Atalanta-ITA)
23 anos. Embora não seja propriamente um garoto, Caldara só atingiu nível destacável em 2016/17. Apesar de ter demorado a mostrar seu potencial, quando o fez, o zagueiro italiano não deixou margem para dúvidas. Forte no jogo aéreo e nas roubadas de bola, ganhou holofotes e foi contratado pela Juventus, mantendo-se em Bergamo por mais uma temporada, emprestado. Não tardará a ganhar suas primeiras convocações para representar a Squadra Azzurra.

23 – Presnel Kimpembe (PSG-FRA)
22 anos. Ser o reserva imediato de uma dupla de zagueiros como a formada pelos brasileiros Marquinhos e Thiago Silva não é tarefa fácil para ninguém. Essa foi a missão que caiu no colo de Presnel Kimpembe quando o Paris Saint-Germain decidiu negociar David Luiz com o Chelsea. E o francês correspondeu sempre que chamado, conquistando, ainda, convocação para representar Les Bleus. Zagueiro de boa técnica, tem ainda uma característica rara que pode lhe ser benéfica no curso da carreira: é canhoto.

24 – Wuilker Faríñez (Caracas-VEN/Millonarios-COL)
19 anos. A afirmação de Wuilker Faríñez em 2017 foi impressionante. Titular do Caracas desde 2015, em 2017 foi vice-campeão do Mundial Sub-20 com a Venezuela, o que, por si só, é um feito e tanto. Como se não fosse suficiente, tornou-se titular da seleção principal de seu país e conquistou destaque impressionante. Com grandes defesas, acabou sendo o principal nome venezuelano do último ano; quando esteve em campo nas partidas eliminatórias para a Copa do Mundo de 2018, a Venezuela empatou com Peru, Colômbia, Argentina e Uruguai, venceu o Paraguai e só perdeu para o Chile. Isso tudo com 19 anos. Em 2018, passará a representar as cores do Millonarios, da Colômbia. O curioso é que o arqueiro é bem baixo para os padrões atuais, tem apenas 1,81m.


25 – Harry Winks (Tottenham-ING)
21 anos. Após alguns anos aparecendo esporadicamente no time do Tottenham, Harry Winks finalmente se firmou como peça útil do time profissional dos Spurs, em 2017. Conhecido como Little Iniesta, o jogador se confirmou mais um jovem de talento bem trabalhado pelo treinador Mauricio Pochettino, chegando ao ponto de ganhar sua primeira convocação para a Seleção Inglesa principal. Meio-campista de boa leitura do jogo, consegue atuar como volante, meia-central ou como box-to-box, sempre se destacando pela precisão nos passes.

26 – Rodrigo Bentancur (Boca Juniors-ARG/Juventus-ITA)
20 anos. É bem verdade que já faz algum tempo que Rodrigo Bentancur está no radar da bola. A questão é que, em 2017, o jogador confirmou o que já se especulava a respeito de seu potencial técnico. O volante uruguaio é curioso. Tem 1,87m, mas apenas 72kg, não fazendo o estereótipo do volante-volante. De fato, ele não representa essa categoria de atletas mesmo. Quando a bola está nos pés de Bentancur é quase sempre bem tratada. Elogiado pelo treinador Massimiliano Allegri, vem ganhando muito espaço no meio-campo da Juventus.  Quando está em campo, torna-se o responsável pelo início das jogadas alvinegras. Há quem o compare, em razão de suas características, com o espanhol Sergio Busquets. É mais um que estreou por sua seleção nacional no último ano.

27 – Patrick Cutrone (Milan-ITA)
20 anos. Quando a temporada 2017/18 se desenhou, o Milan procurava um atacante. Assim, contratou o croata Nikola Kalinic e o português André Silva. A despeito disso, encontrou um projeto de Bomber em casa. Patrick Cutrone, que chegou às categorias de base rossoneri aos oito anos, provou-se um centroavante eficaz. Não é habilidoso ou rápido, mas mostrou instinto artilheiro, com muito bom posicionamento, sempre esgueirando uma oportunidade para fuzilar a baliza adversária. Das três alternativas goleadoras do Milan, é quem fez mais gols na primeira parte da campanha atual.

28 – Nicolás De La Cruz (Liverpool-URU/River Plate-ARG)
20 anos. Irmão de Carlos Sánchez, Nicolás De La Cruz foi peça importantíssima e capitão da Seleção Uruguaia, quarta colocada, no Mundial da categoria, em 2017. Na sequência, seguiu os passos de seu consanguíneo e firmou contrato com o River Plate. Meia de estilo cadenciado e bom toque de bola, pode atuar como segundo volante ou armador. Ainda não é titular dos Millonarios, mas deverá ganhar tal status com o passar do tempo.

29 – Matthijs de Ligt (Ajax-HOL)
18 anos. Apontado como reforço ideal para a defesa do Barcelona, Matthijs de Ligt foi lançado pelo treinador Peter Bosz no decorrer da temporada 2016/17 e logo ganhou status de titular absoluto. Imponente no jogo aéreo e confortável com a bola nos pés, fez dupla sólida com Davinson Sánchez (vendido ao Tottenham) e, sobretudo na disputa da Europa League, na qual o Ajax foi vice-campeão, comportou-se com a tranquilidade de um veterano. Já estreou pela Seleção Holandesa principal.

30 – Ryan Sessegnon (Fulham-ING)
17 anos. Tratado como um fenômeno pela imprensa inglesa, o lateral/meia esquerda se tornou titular do Fulham em 2016/17, com apenas 16 anos. Logo, começou a mostrar que tudo o que era dito a seu respeito era verdadeiro. Tecnicamente privilegiado, destaca-se pela veia ofensiva, anotando muitos gols e criando assistências. Em 52 de Championship, considerando-se também o início da campanha de 2017/18, já fez 12 tentos e criou sete passes para gols. É monitorado de perto por quase todos os gigantes do país. O tamanho de seu potencial? Ainda é difícil de ser medido.

E então, leitores, quem vocês adicionariam à lista?

4 comentários :

  1. Caberiam o Deivid Neres e o Zyech nessa lista, além do Fekir.

    ResponderExcluir
  2. Ótima lista, muito detalhada.
    Também senti falta do Deivid Neres, ajudou muito o Dolberg nessa temporada.

    ResponderExcluir
  3. Vocês têm razão, cabia o David Neres na lista, vem jogando o fino da bola no Ajax. Sobre o Ziyech e o Fekir, esses dois vivem ótimo momento, mas não apareceram em 2017.

    ResponderExcluir
  4. Senti falta do David Neres, Justin Kluivert, Timo Werner, Jadon Sancho, Ben Woodburn, Hirving Lozano, Christian Pulisic, Leon Bailey, Malcom, Richarlison,

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...