quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Times de que gostamos: Lille 2010-2011

Depois de lembrar o grande momento vivido pelo CSKA na temporada 2004-2005, relembro outra equipe recente, mas que jogou um futebol absolutamente belo, o Lille, campeão francês na temporada 2010-2011.


Em pé: Frau, Béria, Dumont, Gueye, Rozehnal, Chedjou;
Agachados: Balmont, Obraniak, Hazard, Landreau, Mavuba.


Time: Lille

Período: 2010-2011

Time Base: Landreau; Debuchy, Chedjou, Rami (Rozehnal), Béria (Emerson); Mavuba, Balmont (Obraniak), Cabaye; Gervinho, Moussa Sow, Hazard. Téc. Rudi García

Conquistas: Campeonato Francês e Copa da França.



Toque de bola e muita velocidade. Unidas estas características, a França se rendeu ao Lille na temporada 2010-2011. Com muita vitalidade, o time desbancou todos os favoritos ao título nacional e levantou o caneco. Com contra-ataques mortais, o clube encantou, entrando no rol dos grandes esquadrões da história recente. Além disso, ainda conquistou um lugar dentre os melhores elencos que já conquistaram a Ligue 1.

O time não tinha muita experiência, assim, um dos jogadores que lideraram a equipe foi o goleiro Mickael Landreau (foto). Já na faixa dos 30 anos, o goleiro, que marcou sua história no Nantes e teve bons momentos no PSG, também registrou seu nome na história do Lille. Seu 1,84m não impressionavam, mas sua agilidade e segurança debaixo dos postes sim. Além de seus sucessos pelos clubes que defendeu, Landreau atuou por 11 vezes pela seleção francesa e esteve no elenco vice-campeão do mundo em 2006.

Pelas laterais, o Lille dispôs dos serviços do eficiente Mathieu Debuchy (foto) e do polivalente Franck Béria. Atacando com muito ímpeto, pela direita, estava Debuchy. Com um físico invejável e boa técnica, o atual lateral da Seleção Francesa, ajudava demais na criação ofensiva da equipe. O outro lateral, por sua vez, não gozava de tanta técnica e por isso reservava-se mais às tarefas defensivas. Contudo, foi um jogador muito útil, pois atuava também como zagueiro ou lateral direito, em uma eventual necessidade.

A dupla de zaga da equipe era composta por Adil Rami (foto) e Aurélien Chedjou. Ambos jogadores de muita força e excelentes no jogo aéreo, eles tinham algumas diferenças. Rami detinha maior capacidade técnica, porém não tinha muita velocidade. Já Chedjou, mostrou-se um zagueiro com excelentes capacidades físicas, mas não muito habilidoso - não que precisasse sê-lo. Juntos, formaram uma dupla muito eficiente.

Destruindo as jogadas dos adversários, estava o sempre bem colocado Rio Mavuba (foto). Jogador incansável, de grande poder de desarme, foi o esteio do meio-campo do Lille. O volante foi, sobretudo, o líder da equipe que capitaneou durante a temporada. Logo à sua frente, jogava Florent Balmont, jogador experiente de sabida consistência. Ótimo passador e dotado de boa visão de jogo, o francês foi termômetro do meio-campo do Lille.

Mais à frente atuou o armador Yohan Cabaye. Meio-campista de enorme categoria, proferiu grandiosos passes tanto de curta quanto de longa distância. Cabia a ele prover a munição para o tridente ofensivo da equipe. Pela ponta direita jogava o endiabrado Gervinho (foto). Veloz e driblador, o marfinense atuou em grandessíssimo nível nessa temporada. Tanto marcando gols quando dando assistências, foi excelente na temporada.

Do outro lado, pela ponta esquerda, estava a principal e maior estrela da equipe, o jovem Eden Hazard (foto). Dotado de incrível técnica, era garçom, goleador, driblador e passador, enfim o grande motor da equipe. 

Por fim, no centro da área, estava o artilheiro Moussa Sow, atacante que não dispunha de muita técnica. Tendo, contudo, grande capacidade de finalização, com o pé direito e com a cabeça, esteve sempre muito bem colocado na área, sendo, assim, o artilheiro da equipe na temporada com 26 gols.

No banco, havia outras opções de grande valia, o bom zagueiro tcheco David Rozehnal, o então promissor meio-campista Idrissa Gueye, os atacantes Pierre-Alain Frau e Túlio de Melo e, principalmente, o polonês Ludovic Obraniak, garantiam uma boa variação na equipe, e também faziam com que a equipe não sentisse tanto a falta de um titular. 

Comandando tudo, estava um treinador extremamente promissor. Rudi Garcia (foto) conseguiu colocar o Lille no rol dos clubes que brigam pelo título na França. Agora na Roma, também tem mostrado suas qualidades.




Ficha técnica de alguns jogos importantes nesse período:

26ª rodada do Campeonato Francês: Olympique de Marselha 1 x 2 Lille

Estádio Vélodrome, Marselha

Árbitro: Johan Hamel

Público 52.960

Gols: ’10 Hazard, ’90 Frau (Lille); ’60 Remy (Olympique)

Olympique: Mandanda; Fanni, Diawara, Mbia, Heinze; Kaboré, E. Cissé (Cheyrou), Lucho González (Gignac); A. Ayew, Remy, Brandão (J. Ayew). Téc. D. Deschamps

Lille: Landreau; Debuchy, Chedjou, Rami, Béria (Emerson); Mavuba, Balmont, Cabaye; Gervinho (Túlio de Melo), Sow (Frau), Hazard. Téc. Rudi Garcia

37ª rodada do Campeonato Francês: PSG 2 X 2 Lille

Estádio Parc des Princes, Paris

Árbitro: Lionel Jaffredo

Público 40.404


Gols: ‘6 Obraniak, ’59 Sow (Lille); ’45 Hoarau, ’72 Bodmer (PSG)

PSG: Coupet; Jallet, Camara, Sakho, Tiéne (Armand); Makelele, Bodmer, Nenê, Giuly (Ceará); Hoarau, Erdinç. Téc. Antoine Kambouaré

Lille: Landreau; Debuchy, Chedjou, Rami, Emerson; Mavuba, Cabaye, Obraniak (Frau); Gervinho, Sow (Túlio de Melo), Hazard (Gueye). Téc. Rudi Garcia

Final da Copa da França: PSG 0 x 1 Lille

Stade de France, Saint-Denis

Árbitro: Clément Turpin

Público 79.000

Gol: ’87 Obraniak (Lille)

PSG: Coupet; Ceará, Camara, Sakho, Tiéne; Makelele (Clément), Bodmer (Erdinç), Chantôme; Giuly (Touré), Hoarau, Nenê. Téc. Antoine Kambouaré

Lille: Landreau; Debuchy, Chedjou, Rami, Béria; Mavuba, Gueye (Túlio de Melo), Cabaye; Gervinho, Sow (Obraniak), Hazard (Dumont). Téc. Rudi Garcia

7 comentários :

  1. Esse Gervinho é o maior enganador,não jogou nada no Arsenal.

    ResponderExcluir
  2. belissimo time que pena que na champions o time não conseguiu ter um redimento como na ligue

    ResponderExcluir
  3. Não vejo o Gervinho como enganador, simplesmente não jogou bem no Arsenal, mas está comendo a bola na Roma. Jogador útil, longe de ser craque, mas bem eficiente.

    ResponderExcluir
  4. Gervinho é bom embora não seja um baita jogador. Garcia tem a habilidade de explorar bem as características do marfinense. Abraço!

    ResponderExcluir
  5. Eu gosto do campeonato Francês,por que não são os mesmos times que ganham todo ano,2010/2011 Lille,2011/2012 Montpellier,2012/2013 PSG.Pra mim o campeonato Francês é o mais parecido com o brasileirão.diferente do espanhol,que todo mundo sabe que que vai ganhar é o barça ou real.

    ResponderExcluir
  6. Esse time é fantástico, pena que perdeu seus principais jogadores...

    ResponderExcluir
  7. Tulio de melo hoje joga no meu time

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...