quarta-feira, 23 de abril de 2014

Times de que Gostamos: Everton 1984-1985

Na última semana, contei um pouco do que o melhor Benfica de todos os tempos mostrou ao mundo. Nesta, lembro o último grande time do Everton, o da temporada 1984-1985.


Em pé: Mountfield, Andy Gray, Trevor Steven, Graeme Sharp,Kevin Sheedy, Van Den Hauwe
Agachados: Gary Stevens, Southall, Ratcliffe, Bracewell, Peter Reid.



Time: Everton

Período: 1984-1985

Time base: Neville Southall; Gary Stevens, Derek Mountfield, Kevin Ratcliffe, Van Den Hauwe; Peter Reid, Paul Bracewell, Trevor Steven, Kevin Sheedy; Graeme Sharp e Andy Gray. Téc. Howard Kendall

Conquistas: Campeonato Inglês, FA Charity Shield e European Winner’s Cup.


Provavelmente o Everton mais vencedor de todos os tempos, o time da temporada 1984-1985 apresentava um estilo de jogo bem “inglês”, com um esquema tático 4-4-2 típico. Com defesa e meio-campo muito sólidos, meias de boa qualidade técnica pelos lados e atacantes de área eficientes, os Toffees abusavam das bolas alçadas na área e também dos contra-ataques rápidos, puxados pelos dois meias lateralizados – que, por vezes, alternavam posições com os atacantes.

Individualmente, destacaram-se o goleiro Neville Southall, o ótimo volante Peter Reid e os meias Trevor Steven e Kevin Sheedy, mas o que tornou, de fato, este time muito poderoso, foi seu conjunto. A equipe era de tal forma entrosada que parecia que os jogadores tinham nascido para jogar juntos, todos conscientes de suas funções e dispostos a ajudar o todo.

A única lamentação dos torcedores fica a cargo na tragédia de Heysel, na partida entre Liverpool e Juventus, quando Hooligans ingleses atacaram torcedores italianos. O porquê? Os clubes ingleses foram banidos das competições europeias por cinco anos, e o melhor Everton da história perdeu a grande chance de conquistar a maior honra europeia: a UEFA Champions League.

Como já falado, o gol dos azuis de Liverpool era defendido por Neville Southall (foto), goleiro galês e recordista de aparições por sua seleção, com 92 jogos. Dono de impressionantes reflexos, defendeu o Everton entre 1981 e 1998 e é, provavelmente, o maior goleiro do clube em toda a história. Suas notáveis atuações renderam-lhe, inclusive, o prêmio de melhor jogador do ano, em 1985, em votação feita pela Football Writers’ Association. É também o atleta que mais vezes defendeu o Everton, com impressionantes 750 partidas.

A zaga foi formada pelo também galês, e capitão, Kevin Ratcliffe (foto), e pelo inglês Derek Mountfield. O primeiro, cria da base do clube, tornou-se capitão aos 23 anos, pouco após ser fixado na defesa (em seu início de carreira era um medíocre lateral esquerdo). Ficou famoso por ser um zagueiro muito rápido e por gostar de um estilo de jogo duro, sendo um grande adepto dos carrinhos. Disputou 493 jogos pelo clube. Já Mountfield tinha a seu favor o forte jogo aéreo, ajudando a equipe tanto na defesa quanto no ataque. Em 106 jogos pelo Campeonato Inglês, marcou 19 gols.


Fechando o time pelos lados da defesa, o clube contou com o lateral direito Gary Stevens (foto) e com o lateral esquerdo Pat van den Hauwe. Stevens, outra cria do clube, não conquistou um lugar na história do futebol pela beleza de seu futebol e sim por sua determinação e vigor físico, sendo importante também na Seleção Inglesa, pela qual disputou as Copas do Mundo de 1986 e 1990. Já van den Hauwe, belga de nascimento e jogador da seleção galesa, chegou ao clube em 1984 e ficou conhecido por ser temido pelos rivais na mesma medida em que era destemido em campo, sendo apelidado de “Psycho Pat”.

Pelo centro do meio-campo, jogaram o craque Peter Reid (foto) e Paul Bracewell. Reid foi um volante de classe. Se não era tão adepto ao jogo físico, tinha enorme capacidade de construção de jogo. Hábil e formidável passador, é mais um jogador  “eterno” do Everton. Contratado a baixo custo, veio com o estigma de contrair muitas lesões. Apesar disso, superou-se, foi eleito o melhor jogador do Campeonato de 1984-1985 pela federação dos jogadores profissionais da Inglaterra e defendeu o English Team na Copa do Mundo de 1986. Bracewell, por outro lado, resguardava um pouco mais a equipe, sendo mais defensivo. Todavia, também tinha boa qualidade de passe e só não foi à Copa do Mundo de 1986 por conta de uma fratura na perna.

Abertos pelos lados, não como wingers, mas como side midfielders, atuaram os habilidosos Trevor Steven  (foto) e Kevin Sheedy. O primeiro foi quem atuou pela direita, fazendo ótima dupla com Stevens e afirmando-se com um jogador extremamente útil. Trevor foi importante tanto no ataque, com sua enorme habilidade, quanto nas tarefas defensivas, ajudando na composição do meio-campo. É outro atleta que disputou as Copas de 1986 e 1990, além das Eurocopas de 1988 e 1992. Sheddy, pela esquerda, tinha características semelhantes às de Steven e era o cobrador de faltas e escanteios da equipe. Nascido em Gales, atuava pela Seleção da Irlanda.


Isolados na frente, o Everton contou com a dupla escocesa, Andy Gray (foto, à esquerda) e Graeme Sharp (foto, à direita). Gray atuou apenas entre 1983 e 1985, mas conseguiu um lugar na história dos Toffees. Conhecido por sua liderança e personalidade forte ajudou na afirmação de jovens jogadores e formou grande dupla com Sharp. Seus trunfos no campo era a qualidade nas bolas aéreas. No final da temporada, com a contratação de Gary Lineker, optou por sair do clube. Seu companheiro, por outro lado, defendeu o clube por longos 11 anos e é o segundo maior artilheiro da história do clube, com 159 gols. Sua principal característica também era o jogo aéreo. Mas, apesar disso, tanto Gray quanto Sharp, sabiam usar os pés com qualidade.


No banco de reservas a equipe teve um dos maiores treinadores de sua história, o inglês Howard Kendall (foto), ex-jogador do próprio clube. Com ele, o clube revelou e lapidou jovens que se tornariam grandes jogadores da história do Everton e conquistou grandes glórias. Além dele, haviam alguns jogadores que jogavam regularmente, casos dos competentes John Bailey, lateral esquerdo, do meio-campo Kevin Richardson e do meia-atacante Adrian Heath, que sempre marcava seus golzinhos. 

Ficha técnica de alguns jogos importantes nesse período:

Final da FA Charity Shield: Everton 1x0 Liverpool

Estádio de Wembley, Londres

Árbitro: Keith Hackett

Público 100.000

Gol: ’55 Grobbelaar (contra) (Everton)

Everton: Southall; Stevens, Mountfield, Ratcliffe, Bailey; Reid, Bracewell, Steven, Richardson; Heath e Sharp. Téc. Howard Kendall

Liverpool: Grobbelaar; Neal, Hansen, Lawrenson, Kennedy; Whelan, Nicol, Wark, Lee (Walsh); Kenny Dalglish e Ian Rush. Téc. Joe Fagan

Semifinal da UEFA Winner’s Cup: Everton 3x1 Bayern de Munique

Estádio Goodison Park, Liverpool

Árbitro: Erik Fredriksson

Público 49.476

Gols: ’48 Sharp, ’73 Gray e ’86 Steven (Everton); ’38 Hoeness (Bayern)

Everton: Southall; Stevens, Mountfield, Ratcliffe, van den Hauwe; Reid, Bracewell, Steven, Sheedy; Sharp e Gray. Téc. Howard Kendall


Bayern: Pfaff; Eder (Rummeniegge), Augenthaler, Willmer (Beierlorzer), Pflüger; Nachtweih, Lerby, Matthäus, Dremmler, Kögl; Hoeness. Téc. Udo Lattek

Final da UEFA Winner’s Cup: Everton 3x1 Rapid Viena

Estádio De Kuip, Rotterdam

Árbitro: Paolo Casarin
Público 38.500

Gols: ’57 Gray, ’72 Steven, ’85 Sheedy (Everton); ’83 Krankl (Rapid)


Everton: Southall; Stevens, Mountfield, Ratcliffe, Bailey; Reid, van den Hauwe, Steven, Sheedy; Gray e Sharp. Téc. Howard Kendall


Rapid: Konsel; Lainer, Weber, Brauneder, Garger; Kienast, Hrstic, Weinhofer (Panenka); Kranjcar, Krankl e Pacult (Bröss). Téc. Otto Baric 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...